OAB >> Nota sobre a supressão dos termos ‘orientação sexual’ e ‘identidade de gênero’ da Base Nacional Curricular

Brasília – A OAB Nacional, por meio das Comissões de Direitos Humanos e da Diversidade Sexual e de Gênero, publicam nota sobre a supressão dos termos “orientação sexual” e “identidade de gênero” na versão final da Base Nacional Comum Curricular, do Ministério da Educação. Leia abaixo ou clique aqui:

NOTA SOBRE A SUPRESSÃO DOS TERMOS “ORIENTAÇÃO SEXUAL” E “IDENTIDADE DE GÊNERO” NA VERSÃO FINAL DA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

A Ordem dos Advogados do Brasil, por seu Presidente Claudio Pacheco Prates Lamachia e pela Comissão Nacional de Direitos Humanos e Comissão Especial da Diversidade Sexual e Gênero do Conselho Federal, no exercício de suas atribuições institucionais, a partir da ciência de que o Ministério da Educação teria suprimido as expressões “orientação sexual” e “identidade de gênero” da versão final da Base Nacional Comum Curricular, disponibilizada no dia 06/04/2017 , deliberou pela expedição da presente nota, emitindo seu posicionamento sobre a matéria:

1. A República Federativa do Brasil possui como um dos seus fundamentos a dignidade da pessoa humana, possuindo como um dos seus objetivos principais a edificação de uma sociedade livre, justa e solidária, onde se promova o bem de todas as pessoas, sem preconceitos de quaisquer ordens, aí incluídas as discriminações por orientação sexual e identidade de gênero. (CF, art. 1º, III; art. 3º, I e IV). A Carta Magna, além da vedação à discriminação de qualquer natureza, consagra o direito à igualdade e tutela a vida privada e familiar, a intimidade e a honra (CF, art. 5º, caput, II e X).

2. O princípio geral da não discriminação também se encontra no art. 1º da Convenção Interamericana de Direitos Humanos – Pacto de San José da Costa Rica. O mesmo instrumento internacional consagra, além dos direitos humanos, o direito à educação (art. 26); a proteção à família (art. 17); e os mandamentos de respeito, tolerância e solidariedade (CIDH, arts. 11, n. 1; 12, n. 3; 13, n. 5).

3. O direito ao respeito pela vida privada e familiar (art. 11, n. 2 da CIDH) assegura o direito ao desenvolvimento pessoal, à liberdade de expressão e ao desenvolvimento da personalidade para estabelecer e desenvolver relações com outros indivíduos, especialmente no campo emocional e afetivo para o desenvolvimento e realização da personalidade de cada um. O respeito à vida privada abarca o direito de o indivíduo criar e desenvolver relações com os seus semelhantes, incluindo a identidade de gênero, a orientação sexual e o livre exercício de sua sexualidade. 

4. O Conselho de Direitos Humanos da ONU, na Resolução 17/19 (34ª sessão, 17 de junho de 2011), reconheceu os direitos LGBTI (onde se inserem a orientação sexual e a identidade de gênero) como direitos humanos. Na Resolução 27/32 (42ª sessão, 26 de setembro de 2014), o Conselho solicitou ao Alto Comissariado uma atualização do Relatório (A/HRC/19/41) com intuito de compartilhar as boas práticas e formas de superar a violência e a discriminação através da aplicação das normas e do Direito Internacional dos Direitos Humanos em vigor.

5. Pela Resolução 32/2 (41ª sessão, 30 de junho de 2016), o CDH da ONU nomeou, por um período de três anos, um especialista independente sobre violência e discriminação por orientação sexual e identidade de gênero para: avaliar a aplicação dos instrumentos internacionais de direitos humanos, identificando as melhores práticas e as deficiências; conscientizar a população acerca da violência e da discriminação por orientação sexual ou identidade de gênero, determinando e abordando as causas fundamentais da violência e da discriminação; entabular um diálogo com os Estados e outros interessados pertinentes, incluídos os organismos, programas e fundos da ONU, os mecanismos regionais de direitos humanos, as instituições nacionais de direitos humanos, as organizações da sociedade civil e as instituições acadêmicas, celebrando consultas com eles. Certamente, nessa questão, se insere a educação para o exercício da sexualidade e para a compreensão da orientação sexual e da identidade de gênero. 

6. A UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura vem trabalhando incessantemente no mundo e no Brasil (inclusive em parceria com a Comissão Especial da Diversidade Sexual e Gênero do Conselho Federal da OAB) no sentido de elaborar materiais que demonstram a importância da inserção da educação em sexualidade e gênero – mormente na perspectiva dos direitos – nas políticas educacionais brasileiras.

7. Nesse sentido, a supressão das expressões “orientação sexual” e “identidade de gênero” da versão final da nossa Base Nacional de Comum Curricular representa não apenas uma afronta brutal a um grande complexo de princípios constitucionais e a instrumentos internacionais de direitos humanos, mas um nefasto retrocesso, colocando o Brasil na contramão do mundo, nessa questão educacional. 

8. Suprimir das políticas educacionais o respeito às diferenças sexuais e de gênero, só ensejará o aumento dos vergonhosos números da lgbtifobia, que coloca o Brasil como o país que registra o maior número de mortes de transexuais do mundo. O bullying homofóbico enseja a evasão escolar e a marginalização de um segmento de cidadãos que ainda vivem à margem da tutela jurídica do estado. É indispensável assumir a escola o compromisso de ensinar às crianças e aos adolescentes o respeito à diferença, única forma de construir uma sociedade mais justa e igualitária.  

9. Cabe trazer a Nota Técnica 24, de 17/08/2015, da Coordenadoria de Direitos Humanos do próprio MEC, a partir da aprovação do Plano Nacional de Educação – PNE, em que destaca as dimensões de gênero e orientação sexual no contexto educacional (texto em anexo).

Diante de todo o exposto, a Ordem dos Advogados do Brasil vem requerer que o Ministério da Educação reveja a sua decisão e reinsira os termos “orientação sexual” e “identidade de gênero” no texto da Base Nacional Comum Curricular, fazendo com que retorne à redação apresentada aos jornalistas, em 04/04/2017. 

Brasília, 9 de abril de 2017.

Claudio Pacheco Prates Lamachia 

Presidente Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil

Maria Berenice Dias

Presidente da Comissão Especial da Diversidade Sexual e Gênero do Conselho Federal da OAB

Everaldo Bezerra Patriota 

Presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal da OAB

Marianna de Almeida Chaves Pereira Lima

Membro-Consultora da Comissão Especial da Diversidade Sexual e Gênero do Conselho Federal da OAB

Fonte Oficial: http://www.oab.org.br/noticia/54980/nota-sobre-a-supressao-dos-termos-orientacao-sexual-e-identidade-de-genero-da-base-nacional-curricular.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

OAB fará evento em homenagem ao relator da Constituição Bernardo Cabral – OAB

A OAB Nacional, por meio da Comissão Nacional de Estudos Constitucionais, promoverá o debate “A …