TST >> Motorista que responsabilizou empresa por obesidade não vai receber indenização

 
                         Baixe o Áudio
      
 

(Ter, 18 Abr 2017 14:10:00) 

REPÓRTER: A Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou o recurso de um motorista de caminhão que solicitava indenização após ter ficado obeso por conta do excesso de serviço. Segundo o caminhoneiro, o aumento de peso resultou na amputação de parte da perna. Para o trabalhador, a empresa Comercial de Alimentos Oltramari, de Santa Catarina, foi responsável pela sobrecarga de trabalho, que o impediu de ter uma dieta saudável, praticar exercícios físicos e descansar adequadamente. 

No entanto, para o relator do caso, ministro Cláudio Brandão, não foi o trabalho que levou o motorista ao sedentarismo, nem a ter má alimentação. De acordo com o ministro, o empregado trabalhava externamente e a empresa não fornecia refeição. Ele também tinha a possibilidade de estabelecer as paradas. 

Seguindo o voto do relator, o ministro Vieira de Mello Filho observou que as responsabilidades pelas opções e escolhas dos empregados não podem ser transferidas aos empregadores. Com o recurso rejeitado, a decisão dada em segunda instância foi mantida, e a Oltramari  e outras empresas do grupo econômico estão isentas da responsabilidade pela enfermidade que causou a amputação da perna do caminhoneiro.

O laudo pericial concluiu não existir nexo de causalidade entre a lesão e as rotinas de trabalho do empregado, e atribuiu o problema de saúde ao estilo de vida do motorista, especialmente ao tabagismo. Segundo o relator do caso, ministro Cláudio Brandão, a mudança do entendimento do Regional catarinense exigiria o reexame de fatos e provas, vedado pela Súmula 126 do TST.

Por unanimidade, o recurso do trabalhador foi negado e a empresa não vai ter que indenizar por dano moral o trabalhador.

Reportagem: Adrian Alencar
Locução: Anderson Conrado  

O TST possui oito Turmas julgadoras, cada uma composta por três ministros, com a atribuição de analisar recursos de revista, agravos, agravos de instrumento, agravos regimentais e recursos ordinários em ação cautelar. Das decisões das Turmas, a parte ainda pode, em alguns casos, recorrer à Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1).

 

O programa Trabalho e Justiça vai ao ar na Rádio Justiça de segunda a sexta, às 10h50.
 
Trabalho e Justiça 
Rádio Justiça – Brasília – 104,7 FM
Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Coordenadoria de Rádio e TV
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4264
crtv@tst.jus.br

Fonte Oficial: http://www.tst.jus.br/web/guest/noticias?p_p_id=89Dk&p_p_lifecycle=0&refererPlid=10730&_89Dk_struts_action=%2Fjournal_content%2Fview&_89Dk_groupId=10157&_89Dk_articleId=24280579.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Anulada decisão que rejeitou recurso por excesso de páginas

Para a 7ª Turma, a limitação do tamanho do documento caracteriza cerceamento do direito de …