TST >> JT firma acordo com Marinha para desenvolver software para consulta e penhora de embarcações

document.write(‘‘); !function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(!d.getElementById(id)){js=d.createElement(s);js.id=id;js.src=”http://platform.twitter.com/widgets.js”;fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}}(document,”script”,”twitter-wjs”);



O presidente do Tribunal Superior do Trabalho e do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, ministro Ives Gandra Martins Filho, firmou, nesta quarta-feira (26), acordo de cooperação técnica com a Marinha do Brasil para o desenvolvimento do software NAVEJUD, ferramenta que dará celeridade ao processo de consulta e penhora de embarcações que possam ser objeto de execução trabalhista.

O programa, que será desenvolvido pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO) e deve ser implementado em até quatro meses, tem como objetivo reduzir o tempo utilizado entre a consulta ao Sistema de Gerenciamento de Embarcações da Marinha do Brasil (SISGEMB), atualmente feita pelo juízo de execução por meio de ofício, e a determinação de arresto do bem náutico. De acordo com o juiz auxiliar da presidência do CSJT/TST Maximiliano Pereira de Carvalho, o atual mecanismo levava meses para ser concluído, e com o NAVEJUD acontecerá de maneira instantânea, uma vez que o magistrado poderá consultar a embarcação e expedir a ordem de bloqueio na mesma operação eletrônica.

O juiz auxiliar ressalta ainda que, apesar de a iniciativa de criação do NAVEJUD seja da Justiça do Trabalho, a ferramenta poderá ser usado pelos demais ramos do Poder Judiciário e órgãos do Poder Público, como a Receita Federal e a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). “A Justiça do Trabalho é o primeiro órgão do Poder Judiciário a ter acesso online à base de dados da Marinha, mas essa não é uma ação concentrada”, observou.

O ministro Ives Gandra Filho, ao agradecer à Marinha do Brasil, ressaltou que a ferramenta se alinha a outros instrumentos já existentes para garantir a efetividade das sentenças trabalhistas. “Já tínhamos ferramentas para localizar carros e aeronaves, mas faltava um mecanismo para localizar embarcações”, disse.

Segundo o comandante da Marinha, Almirante-de-Esquadra Eduardo Barcellar Leal Ferreira, a entidade se sente honrada em auxiliar o Poder Judiciário na busca por justiça. “É importante o esforço que estamos fazendo para beneficiar aqueles que ganham causas trabalhistas, mas não conseguem obter o que é deles por direito”, concluiu.

A assinatura do acordo contou com a presença de diversas autoridades, entre elas o ministro do TST Cláudio Brandão, que coordena a Comissão Nacional de Efetividade da Execução Trabalhista, e o Almirante-de-Esquadra Paulo Cezar de Quadros Küster, diretor-geral de Navegação.

(Alessandro Jacó/CF. Foto: Aldo Dias)

<!– –> var endereco; endereco = window.location.href; document.write(‘‘) <!—-> Inscrição no Canal Youtube do TST

Fonte Oficial: http://www.tst.jus.br/web/guest/noticias?p_p_id=89Dk&p_p_lifecycle=0&refererPlid=10730&_89Dk_struts_action=%2Fjournal_content%2Fview&_89Dk_groupId=10157&_89Dk_articleId=24287561.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Boletim ao vivo | Vigilante obtém condenação de três bancos para os quais prestava serviços em carro-forte

                           Baixe o áudio Reproduzir o áudio  Pausar o áudio  Aumentar o volume  Diminuir o …