TST >> Vice-presidente do TST propõe acordo sobre greve nos Correios

document.write(‘‘); !function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(!d.getElementById(id)){js=d.createElement(s);js.id=id;js.src=”http://platform.twitter.com/widgets.js”;fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}}(document,”script”,”twitter-wjs”);



O vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Emmanoel Pereira, apresentou nesta terça-feira (2) proposta de acordo parcial com o objetivo de incentivar negociação entre a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) e as federações representantes dos empregados dos Correios.

Nesse sentido, o ministro propõe que a empresa reconsidere ato que suspendeu o gozo das férias, pelo menos no mês de maio, e pede para os trabalhadores a suspensão ou o encerramento imediato da greve iniciada em 27/4/2017. Ele também convida a ECT e os empregados para sentarem à mesa de negociação para tratar dos demais temas em debate.

Emmanoel Pereira entende que a reconsideração, ao menos temporária, da decisão de suspender as férias pode contribuir com o avanço do diálogo, já em curso no TST, entre a categoria e os Correios. Da mesma forma, ele considera que a suspensão da greve favorece não apenas o ambiente de negociação, como também evita que outros incidentes, como os efeitos da própria greve, tenham de ser julgados.

Conforme despacho do vice-presidente, a empresa e as federações estão intimadas para se manifestarem sobre o acordo, com urgência. Inclusive, os trabalhadores pretendem realizar assembleias na tarde desta terça-feira.

A greve e as reivindicações sobre férias, entrega diária, quadro de pessoal, plano de saúde e demissão voluntária são tratadas em processos de tutela cautelar e de procedimento de mediação e conciliação pré-processual, ainda em tramitação no TST.

(Guilherme Santos)

Processos: PMPP-5701-24.2017.5.00.0000 e TutCautAntec-6851-40.2017.5.00.0000.

Leia mais:

27/4/2017 – Liminar determina manutenção de 80% dos trabalhadores da ECT em atividade durante greve

O procedimento de mediação e conciliação pré-processual em dissídios coletivos foi regulamentado pelo Ato 168/TST.GP/2016, que atribui à Vice-Presidência do TST a sua condução. Podem ser submetidos à mediação e à conciliação pré-processual as relações jurídicas passíveis de submissão a dissídio coletivo de natureza econômica, jurídica ou de greve.
Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4907
secom@tst.jus.br
<!– –> var endereco; endereco = window.location.href; document.write(‘‘) <!—-> Inscrição no Canal Youtube do TST

Fonte Oficial: http://www.tst.jus.br/web/guest/noticias?p_p_id=89Dk&p_p_lifecycle=0&refererPlid=10730&_89Dk_struts_action=%2Fjournal_content%2Fview&_89Dk_groupId=10157&_89Dk_articleId=24292956.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Boletim ao vivo | Vigilante obtém condenação de três bancos para os quais prestava serviços em carro-forte

                           Baixe o áudio Reproduzir o áudio  Pausar o áudio  Aumentar o volume  Diminuir o …