OAB >> Lamachia cobra decisão da Câmara sobre cobrança por bagagens despachadas em voos

Brasília – O presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, voltou a cobrar uma posição da Câmara dos Deputados a respeito da Resolução 400 da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Em dezembro, o Senado aprovou um projeto de decreto legislativo sustando a cobrança por bagagens despachadas. Esse texto precisa ser votado pela Câmara dos Deputados para que os efeitos possam vigorar. O tema voltou a preocupar já que no dia 29 de abril o juiz Alcides Saldanha Lima, da 10ª Vara Federal do Ceará, revogou a decisão que proibia as companhias aéreas de cobrar pela bagagem despachada.

Lamachia esteve com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, para requerer que a proposta aprovada no Senado fosse pautada com urgência. O país vive uma situação de insegurança jurídica, como o que acaba de acontecer diante da decisão do juiz cearense. O presidente da OAB defende que somente um posicionamento definitivo da Câmara poderá colocar um fim na questão. 

“A queda da liminar muda novamente as regras e cria um ambiente de insegurança para todos os passageiros. O cidadão chegará ao aeroporto sem saber o que acontecerá, qual regra vale, totalmente a mercê das companhias aéreas, que agora discutem entre si qual será o posicionamento diante da decisão da justiça”, afirma Lamachia. 

“A sociedade precisa de uma resposta definitiva sobre o tema e cabe à Câmara dar essa resposta. Não há razão alguma que justifique o protelamento dessa decisão. Esperamos que o presidente paute a proposta e que os deputados aprovem o texto já discutido e aprovado no Senado, extirpando definitivamente esta bizarrice do cenário aéreo brasileiro”, disse.

Atuação

A OAB tem combatido energicamente a resolução da Anac desde o início de 2016, tão logo tomou conhecimento de que a agência planejava liberar as companhias aéreas para cobrar pelas bagagens despachadas. Ao longo do primeiro semestre de 2016, a OAB trabalhou na confecção de um parecer amplo sobre a resolução. Antes da conclusão do trabalho, Lamachia anunciou que a entidade adotaria medidas judiciais contra a medida.

Em 29 de julho, a OAB divulgou o parecer confeccionado pela Comissão Especial de Defesa do Consumidor feito a pedido de Lamachia. Nele, com base em diferentes abordagens, ficou demonstrado que a resolução da Anac para as franquias de bagagens fere o Código de Defesa do Consumidor e que o consumidor passaria a ocupar uma relação desvantajosa com as empresas aéreas ficando a mercê delas, já que a proposta não estabelece nenhum critério de controle ou limite para a cobrança prevista pelas bagagens despachadas.

No dia 8 de agosto, durante a abertura a Semana do Advogado promovida pela seccional de Alagoas da OAB, Lamachia fez o lançamento oficial da campanha “Bagagem sem Preço”, que incluiu a construção de um portal na internet com o objetivo de divulgar o parecer da Ordem sobre a resolução e disponibilizar um abaixo assinado para reunir apoio contra o texto. “A OAB tem um a preocupação constante de cuidar da preservação dos direitos dos cidadãos, em especial frente aos abusos do poder público ou do poder econômico”, destacou Lamachia. Graças a essa atuação constante da OAB, em 1º de setembro representantes da Ordem foram procurados com um pedido de reunião com representantes de entidades e das principais operadoras de voos no Brasil.

Em dezembro, a OAB ajuizou Ação Civil Pública, com pedido de liminar, contra Resolução da Anac que autoriza as empresas aéreas a cobrarem pelo despacho de bagagem. No mesmo dia, Lamachia, acompanhado da presidente da comissão de defesa do consumidor, Marié Miranda, esteve com o ministro do Turismo, Marx Beltrão, para falar a respeito da resolução e cobrou uma posição do ministério sobre o assunto. Beltrão não seria o único ministro a receber visita da OAB para tratar do tema. 

No início deste ano, uma delegação da Ordem liderada pela   presidente da Comissão Especial de Defesa do Consumidor esteve reunida com o ministro da Justiça, Osmar Serraglio. No encontro, a OAB tratou de uma série de demandas com o ministro e entregou a ele o manifesto “Contra os Retrocessos no Direito Do Consumidor – Movimento pela Reconstrução e Fortalecimento da Política Nacional de Defesa do Consumidor”. A questão da resolução da Anac recebeu atenção especial na reunião, oportunidade em que mais uma vez a OAB procurou atuar para derrubar a possibilidade de que a companhias aéreas cobrem dos passageiros valores por bagagens despachadas.

Fonte Oficial: http://www.oab.org.br/noticia/55029/lamachia-cobra-decisao-da-camara-sobre-cobranca-por-bagagens-despachadas-em-voos.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Com auxílio do CFOAB e do FIDA, seccional do Amapá terá sede própria – OAB

O presidente da OAB-AP, Auriney Brito, foi recebido nesta terça-feira (9/8) pelo presidente do Conselho …