TST >> Financeira não deve pagar indenização à analista de crédito por ter divulgado resultados insatisfatórios

 
                         Baixe o Áudio
      
 

(Ter, 09 Mai 2017 14:10:00) 

REPÓRTER: Um analista de recuperação de crédito da Rio São Francisco Assessoria Comercial e Financeira, de São Paulo, não conseguiu comprovar na justiça que sofreu dano moral. Segundo o trabalhador, a empresa teria divulgado o nome dele em resultados insatisfatórios de produtividade. Por isso, o profissional entrou com recurso no TST e pediu indenização por danos morais, mas a Quarta Turma negou a pretensão

A financeira explicou que possuía um Plano de Participação nos Resultados em que a distribuição dos lucros era vinculada ao cumprimento de metas. Além disso, justificou que a existência de metas individuais e de relatórios de produtividade, sem qualquer qualificativo que possa ser considerado exagerado, não é suficiente para que o assédio moral seja caracterizado.

Em primeira instância o dano moral foi aceito e a empresa foi condenada ao pagamento de R$ 5 mil. Já o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, com sede na capital paulista, reformou a sentença. O entendimento foi de que a conduta se revelou mera estratégia para aumento da produtividade.

O analista então recorreu ao TST. A relatora do caso na Quarta Turma, desembargadora convocada Cilene Ferreira Amaro Santos, afirmou não ser possível conceder indenização por dano moral, já que não foi constatada a ocorrência de episódio vexatório capaz de atingir a imagem e a reputação do trabalhador.

SONORA: Des. Cilene Ferreira Amaro Santos – relatora do caso 

“Eu vou pedir todas as vênias a Vossa Excelência. Eu acho que quem trabalha num ambiente de vendas costumam ter esses rankings de venda, de meta, de cumprimento de meta e, principalmente, quando a meta não é da pessoa e sim da equipe, a meta dessa equipe é X, então até para eu saber se eu devo trabalhar mais ou menos para cumprir a meta da equipe, que não sei se é o caso, é muito comum.” 

REPÓRTER: Com isso, a Rio São Francisco Assessoria Comercial e Financeira não deve pagar indenização por dano moral ao analista. O voto da relatora foi acompanhado por unanimidade. 

Reportagem: Liamara Mendes
Locução: Carlos Balbino  

O TST possui oito Turmas julgadoras, cada uma composta por três ministros, com a atribuição de analisar recursos de revista, agravos, agravos de instrumento, agravos regimentais e recursos ordinários em ação cautelar. Das decisões das Turmas, a parte ainda pode, em alguns casos, recorrer à Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1).

 
O programa Trabalho e Justiça vai ao ar na Rádio Justiça de segunda a sexta, às 10h50.
 
Trabalho e Justiça 
Rádio Justiça – Brasília – 104,7 FM
Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Coordenadoria de Rádio e TV
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4264
crtv@tst.jus.br

Fonte Oficial: http://www.tst.jus.br/web/guest/noticias?p_p_id=89Dk&p_p_lifecycle=0&refererPlid=10730&_89Dk_struts_action=%2Fjournal_content%2Fview&_89Dk_groupId=10157&_89Dk_articleId=24299234.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Ação contra o Banco do Brasil que já passou por quatro juízos voltará a São José dos Campos (SP)

A SDI-2 rejeitou o conflito de competência suscitado por uma das Varas locais. 22/04/21 – A …