Curitiba/PR: Espaço representou mudança na postura de uso da Praça Rui Barbosa

A construção da Rua da Cidadania Matriz, que completa 20 anos nesta segunda-feira (15/5), representou uma mudança mais profunda de postura de uso da Praça Rui Barbosa.

A praça precisava ser reorganizada para atender melhor a estrutura de transporte público, organizar e abrigar o comércio ambulante que atravancava o entorno e também ser sede de uma série de serviços públicos da Administração Regional.

“Criamos uma grande praça coberta, que evoca o Grand Palais de Paris”, conta o prefeito Rafael Greca, em cuja primeira gestão o projeto foi desenvolvido. “É um espaço bonito, onde, à sombra e longe da chuva, os curitibanos se encontram.”

O edifício foi inaugurado em 1997, cinco meses depois do encerramento da gestão (1993-1996) durante a qual foram construídas outras cinco Ruas da Cidadania em Curitiba (Boqueirão, Pinheirinho, Portão, Boa Vista e Santa Felicidade).

Hoje, abriga 350 quiosques no espaço interno, numa feira permanente, e 54 lojas, voltadas para as ruas externas.

 

Mudanças

Autor do projeto, Reginaldo Reinert, atual presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), foi responsável pelo projeto arquitetônico da Rua.

Ele lembra que a Rui Barbosa historicamente foi um ponto de entrada para a região central dos moradores vindos dos bairros, especialmente da região sul da cidade. “A praça sempre teve ligação muito forte com o transporte”, afirma Reinert. “No começo, de maneira mais informal; depois, mais estruturante. A praça teve várias transformações ao longo do tempo.”

Há 20 anos, os ônibus biarticulados ganhavam terreno no transporte da capital. Maiores, precisavam de espaço adequado para suas manobras para embarque e desembarque de passageiros. Linhas com ônibus menores também precisavam ser mais bem abrigadas no vaivém nos pontos.

Os espaços e vias da praça foram readequados com este fim – a fonte, por exemplo, mudou de lugar.

 

Camelôs organizados

Outro problema era organizar o comércio dos ambulantes que ocupavam parte da área. Eles foram instalados dentro da Rua da Cidadania, um espaço coberto. Com isso, a barafunda de barracas espalhadas virou espaço mais livre para circulação livre de pedestres, e o comércio, organizado.

“A ideia original era dar espaço aos empreendedores, muitos em seu primeiro negócio”, lembra Reinert.

 “O prédio foi pensado para distribuir todos os serviços municipais, para atendimento à população, e atendeu também a uma série de demandas desse conjunto de mudanças na área”, resume o presidente do Ippuc. 

Fonte Oficial: http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/espaco-representou-mudanca-na-postura-de-uso-da-praca-rui-barbosa/42105.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Curitibinhas discutem educação no trânsito e uso da bicicleta – Prefeitura de Curitiba/PR

Estudantes do 5° ano da Escola Municipal Sady Souza, no Sítio Cercado, vão percorrer as …