OAB >> OAB ingressa em ação contra veto de utilização de celulares por advogados

Brasília – A OAB Nacional requereu o ingresso como terceiro interessado em mandado de segurança para possibilitar a utilização de aparelhos celulares por advogados durante as audiências. Para a Ordem, privar o advogado de utilizar seu aparelho fere os direitos profissionais e prejudica o trabalho realizado pela defesa. 

O processo tramita no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, sob relatoria do desembargador João Pedro Gebran Neto. Advogados que acompanharam o depoimento na Ação Penal nº 5046512-94.2016.404.700/PR, no dia 10 de maio, foram proibidos de entrar na sala de audiência com aparelhos celulares. Na ocasião, a OAB do Paraná requereu a reconsideração da decisão, mas ela foi mantida. Então, o advogado Fernando Augusto Fernandes ingressou com o mandado de segurança, “por ter violado o seu direito líquido e certo”. 

“O aparelho celular é instrumento de trabalho indispensável para os advogados. Proibir sua utilização durante audiências é violar as prerrogativas deste que é um profissional indispensável à administração da Justiça, como prevê a Constituição Federal. A OAB não coaduna com violações de prerrogativas, que, ao fim e a cabo, não são dos advogados, mas dos cidadãos”, afirma o presidente nacional da Ordem, Claudio Lamachia. 

Para o procurador nacional de defesa das prerrogativas, Charles Dias, “obstar a utilização do celular por parte do advogado quando da realização de audiência acarreta na incomunicabilidade do profissional e o impede de exercer com amplitude o seu mister, impedindo o seu direito de acessar autos eletrônicos, consultar jurisprudência e outras atividades inerentes à sua atividade profissional”. 

O presidente em exercício da Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas, Cássio Lisandro Telles, explica que essa questão está disciplinada no Novo Código de Processo Civil e se aplica a qualquer audiência judicial na qual o processo seja público, ou seja, não esteja em segredo de justiça. “Qualquer desvirtuamento, como divulgação de imagens ou violação de sigilo, a OAB pode punir, porque é uma infração disciplinar. Cabe à Ordem, unicamente, a aplicação de sanções a seus inscritos. Celular é instrumento de trabalho e, como tal, é indispensável ao exercício profissional”, afirma. 

“Tal medida viola não só a prerrogativa profissional do advogado prevista no inciso II do artigo 7º do Estatuto da Advocacia, mas, também, os princípios do contraditório e da ampla defesa, configurando cerceamento de defesa. Ao advogado deve ser garantida uma atuação livre, com independência e sem indevidas restrições que criem obstáculos à concretização da sua função social”, afirma a entidade no pedido. “A atividade livre e independente do advogado é essencial para preservar o Estado de Direito e fazer cessar eventual abuso de autoridade, e foi instituída no interesse do cidadão.” 

A Ordem dos Advogados do Brasil deixa claro, ainda, que não pretende debater as questões que envolvem as citadas ações penais, “mas unicamente defender as normas e princípios constantes da Constituição Federal, bem como velar pela escorreita aplicação da lei e a preservação das prerrogativas da advocacia”. 

Mandado de segurança N. 5022143-50.2017.4.04.0000

Ação Penal nº 5046512-94.2016.404.700/PR

Fonte Oficial: http://www.oab.org.br/noticia/55086/oab-ingressa-em-acao-contra-veto-de-utilizacao-de-celulares-por-advogados.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Comissão promoverá debate internacional sobre desenvolvimento sustentável e transição digital – OAB

A OAB Nacional, por meio da Comissão Nacional de Relações Internacionais (CNRI), vai promover uma …