TST >> Direito Garantido: Detalhes sobre conciliadores na Justiça do Trabalho

 
                         Baixe o Áudio
      
 

(Seg, 22 Mai 2017 14:14:00)

REPÓRTER: Solucionar os processos trabalhistas por meio de acordos… esse é o principal motivo que leva um conciliador a entrar em ação na justiça do trabalho! Ele tem o papel de pacificar os conflitos e fazer com que empregados e empregadores entrem em um acordo. Esse profissional é responsável por facilitar o diálogo com imparcilidade, conforme dispõe a Resolução nº 174 de 2016 do Conselho Superior da Justiça do Trabalho. Mas será que todo mundo pode ser um conciliador judicial? 

De acordo com a Resolução do CSJT, para atuar nessa função perante o Poder Judiciário é preciso ser servidor público da Justiça do Trabalho e passar por capacitação da Escola Judicial presente em cada TRT, além de ser cadastrado pelos Tribunais, aos quais compete regulamentar o processo de inclusão ou exclusão no cadastro. 

Os magistrados e servidores inativos podem também ser conciliadores desde que declarem, sob responsabilidade pessoal, que não atuam como advogados na jurisdição dos Órgãos que abrangem os Centros Judiciários de Métodos Consensuias de Solução de Disputas, os CEJUSCs.

Vale lembrar que os conciliadores devem se submeter a reciclagem continuada e à avaliação do usuário. Tudo por meio de pesquisas de satisfação anuais, cujo resultado é encaminhado ao CSJT.

Reportagem: Adrian Alencar 
Locução: Liamara Mendes 

 
O programa Trabalho e Justiça vai ao ar na Rádio Justiça de segunda a sexta, às 10h50.
 
Trabalho e Justiça 
Rádio Justiça – Brasília – 104,7 FM
Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Coordenadoria de Rádio e TV
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4264
crtv@tst.jus.br

Fonte Oficial: http://www.tst.jus.br/web/guest/noticias?p_p_id=89Dk&p_p_lifecycle=0&refererPlid=10730&_89Dk_struts_action=%2Fjournal_content%2Fview&_89Dk_groupId=10157&_89Dk_articleId=24315197.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Sedes do Tribunal Superior do Trabalho

      Voltar para Página Inicial Fonte Oficial: TST. ​Os textos, informações e opiniões …