Câmara Municipal de São Paulo CPI intima sócios da Icomon para prestar esclarecimentos sobre dívida de R$423 milhões





 DA REDAÇÃO

Os sócios da empresa Icomon Tecnologia – empresa prestadora de serviços de telecomunicações –, Roberto Sobrinho, Valter Melo e Amarildo de Paula, foram intimados nesta quinta-feira (25/5) pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) dos Grandes Devedores para prestar esclarecimentos sobre a dívida de R$423 milhões com a prefeitura de São Paulo.

A decisão da CPI foi tomada após o descontentamento dos vereadores com as informações dadas pelo advogado da Icomon, Onias Marcos dos Reis, durante a reunião. De acordo com o representante da empresa, em nenhum momento a companhia teve a intenção de “lesar” os cofres públicos.  “Nós não estamos nos furtando de pagar. Vamos retomar os pagamentos, mas sem quebrar a empresa”, esclareceu Reis. Atualmente, a Icomon emprega quatro mil pessoas.

A prestadora de serviços de telecomunicações aderiu à um PPI (Programa de Parcelamento Incentivado) da prefeitura e deixou de pagar as prestações. O motivo, de acordo com Reis, é a crise na economia brasileira que deixou a Icomon em uma “situação pouco confortável”.

Os argumentos apresentados pelo advogado não foram suficientes para os vereadores. “É uma empresa grande e que tem se aproveitado dos PPIs para pagar algumas parcelas e estar regularizada para firmar contratos. Depois, arrumam uma justificativa e deixam de pagar”, disse o vereador Adilson Amadeu (PTB), quem apresentou o requerimento de intimação e mais um pedido para que a Iconom encaminhe os balanços patrimoniais e as demonstrações dos resultados referentes aos últimos cinco anos de atividades.

O vereador Ricardo Nunes (PMDB) concordou com o petebista. “Parece que a empresa está agindo de má fé para pagar. Porque a Icomon tem um contrato grande com a Vivo e tem dinheiro para pagar. Esse dinheiro faz falta na saúde, na educação e para toda a população”, opinou.

O presidente da CPI, vereador Eduardo Tuma (PSDB), concordou com o requerimento. “A dívida é grande e reconhecida pela empresa. Percebemos que a Icomon utiliza procedimentos irregulares, como aderir ao PPI e romper os pagamentos. A impressão é que ela usa do subterfúgio para tirar a certidão positiva com efeitos negativos e estar regular no âmbito fiscal”, disse.



Fonte Oficial: http://www.camara.sp.gov.br/blog/cpi-intima-socios-da-icomon-para-prestar-esclarecimentos-sobre-divida-de-r423-milhoes/.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Vereadores debatem temas ligados à saúde, meio ambiente e desestatização

Sessão Plenária desta terça-feira (22/10) MARCO ANTONIO CALEJODA REDAÇÃO Na tarde desta terça-feira (22/10), durante …