[Cultura] Jovens participam de encontro para conscientizao da preservao do boto pescador – Notcias – Prefeitura Municipal de Laguna

Lagunense sempre tem uma história para contar sobre botos e peixes. Costuma levar as visitas para apreciar a beleza dos Molhes da Barra com a pesca de cooperação entre os botos e homens. A preocupação com a preservação desta prática está mobilizando os jovens. Uma das ações foi a criação, através do Parlamento Jovem, do dia 25 de maio, como Dia Estadual da Preservação do Boto Pescador. 

A Assembleia Legislativa, através do deputado José Milton Scheffer, acatou o pedido dos jovens laguneneses da Escola Estadual Ana Gondin, do bairro Magalhães, e fez o decreto para lembrar a data. 

Os estudantes Gabriel Estevão e Lucas Rodriguês participaram do projeto Parlamento Jovem e com a equipe da escola sugeriram a lei, sancionada neste ano.

Na tarde desta quarta-feira, dia 25, eles estiveram nos Molhes da Barra divulgando a lei e à tarde com os alunos em reunião no auditório do Iphan, no centro histórico. Debateram sobre o tema e conheceram o documentário e o livro Educar, documentar e valorizar para preservar – Pesca Artesanal com auxílio dos Botos em Laguna. O projeto foi realizado pela Fundação Lagunense de Cultura, com recursos do Programa Nacional de Patrimônio Imaterial (PNPI) do Ministério da Cultura, em 2015. Dentro da proposta para tornar a pesca artesanal patrimônio imaterial.

“Queremos contribuir com a nossa cidade, preservar o boto é importante”, disse Lucas Rodriguês.

A data foi escolhida pelo período este ser da safra da tainha, onde os botos estão em evidência. Devido também as mortes em 2016, dos cetáceos na orla da praia. 

Os alunos vieram acompanhados dos professores Márcio Felizardo Souza da Silva e Lilian Suzette Magalhães. 

Murilo Nunes Espíndola, 11 anos, gostou do documentário apresentado. “Achei bonito. A história dos nomes dos botos”, disse. 

O presidente da Fundação Lagunense de Cultura, Márcio Rodriguês Filho, explicou sobre a importância da preservação do boto. “Temos que ter um cuidado com todo o meio ambiente para que a pesca continua”, apontou. 

O coordenador do projeto, Wellington Linhares, comentou que cada encontro sobre o assunto irá contribuir para a aprovação do Iphan em Brasília, para a chancela de patrimônio imaterial da pesca artesanal, mais uma forma de preservar a cultural local. 

 

Fonte Oficial: http://www.laguna.sc.gov.br/noticias.php?cod_noticia=10710.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Curitibinhas discutem educação no trânsito e uso da bicicleta – Prefeitura de Curitiba/PR

Estudantes do 5° ano da Escola Municipal Sady Souza, no Sítio Cercado, vão percorrer as …