Rejeitado registro de candidato a prefeito de Nova Fátima (PR) — Tribunal Superior Eleitoral

Decisão do Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou, na sessão desta terça-feira (30), o indeferimento da candidatura de José Ali Mehanna (PSB), que concorreu a prefeito de Nova Fátima (PR). Os ministros entenderam que Mehanna não se desincompatibilizou no prazo legal, para a disputa eleitoral, do cargo de sócio administrador do único hospital do município e que detém contrato com a prefeitura desde 2013, renovado ano a ano sem licitação.

A relatora do recurso do candidato, ministra Rosa Weber afirmou que o candidato não se desincompatibilizou do cargo no hospital quatro meses antes da eleição, como a legislação exige para o caso. Além disso, a ministra destacou que o Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) afirmou, ao manter a sentença do juiz de primeira instância, que o contrato do hospital com a prefeitura não mantinha cláusulas uniformes, que permitiriam ao candidato não se afastar da função de sócio administrador do estabelecimento. Mehanna disputou a eleição de 2016 com o registro indeferido aguardando julgamento final de recurso na Justiça Eleitoral.

“Examinando apenas o contrato de 2016 [do hospital com o município], eu concluo que não se trata, por sua própria natureza, de um contrato de cláusulas uniformes. É um contrato pela circunstância de ser o único hospital e que dispensa a licitação. Então, a contratação se fez fundada na inexigibilidade de licitação. E, do meu ponto de vista, a condição de sócio administrador exigiria, sim, o seu afastamento no prazo previsto em lei”, afirmou a ministra Rosa Weber em seu voto, que foi acompanhado pela maioria da Corte.

O ministro Napoleão Nunes Maia divergiu do voto da relatora por considerar que não é a impossibilidade de competição, pela falta de licitação, que faz um contrato não ter cláusulas uniformes. Segundo o ministro, cláusulas uniformes são aquelas que “guardam observância com o serviço para o qual a contratada está programada”.

“No caso de um hospital, cláusula uniforme é se o serviço contratado é, exclusivamente, o serviço específico do hospital. Um contrato padrão, um contrato standard, usualmente praticado por todos os hospitais”, observou o ministro.            

Marinho dos Santos (PPS) foi o candidato eleito prefeito de Nova Fátima em outubro passado, com 2.149 votos.

EM/IC

Processo relacionado: Respe 6550

Fonte Oficial: http://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2017/Maio/rejeitado-registro-de-candidato-a-prefeito-de-nova-fatima-pr.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

TSE celebra Dia Mundial do Planeta Terra e reforça compromisso com o meio ambiente — Tribunal Superior Eleitoral

Na próxima quinta-feira (22), milhões de pessoas em todo o mundo comemoram o Dia Mundial …