TST >> TST fixa reajuste de 9,8% e jornada de 44 horas semanais para empregados da IMBEL

document.write(‘‘); !function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(!d.getElementById(id)){js=d.createElement(s);js.id=id;js.src=”http://platform.twitter.com/widgets.js”;fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}}(document,”script”,”twitter-wjs”);



A Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do Tribunal Superior do Trabalho decidiu nesta segunda-feira (5/6), por maioria, fixar em 9,8% o reajuste dos empregados da Indústria de Material Bélico do Brasil (IMBEL). O índice tem validade a partir de 1º de abril de 2016, data base da categoria. Foi decidido também que os empregados voltarão a cumprir jornada de trabalho de 44 horas semanais, após o fim da vigência de sentença normativa que a fixava em 42 horas semanais.

Audiência de mediação e conciliação

O dissídio coletivo foi instaurado em junho de 2016 pela Imbel, diante de impasse para revisão do instrumento normativo de 2015/2016. A empresa pública, vinculada ao Ministério da Defesa, propunha aumento salarial de 9%, desde que a jornada passasse de 42h semanais para 44h. Os sindicatos dos trabalhadores, por sua vez, pretendiam reajuste de 11,38%, com 40h de trabalho por semana.

Em audiência de conciliação realizada em outubro, o vice-presidente do TST, ministro Emmanoel Pereira, apresentou proposta de reajuste de 9% com jornada de 42 horas. Com a rejeição da proposta pelas assembleias da categoria, o dissídio foi a julgamento pela SDC.

Reajuste salarial

A relatora do dissídio, ministra Cristina Peduzzi, propôs o reajuste de 9,8% levando por base o INPC/IBGE medido entre abril de 2015 e maio de 2016, fixado em 9,9%. Ela explicou que o percentual, levemente abaixo do índice, deve-se ao fato de que a SDC tem entendimento no sentido da vedação da vinculação exata do reajuste salarial a índice de preços.

De acordo com a relatora, a SDC também condiciona a concessão de aumento real à comprovação de indicadores objetivos do crescimento da lucratividade e da produtividade do setor, com base no artigo 13, parágrafo 2º, da Lei 10.192/2001. No caso da IMBEL, esse requisito não pôde ser verificado. “Na contestação /reconvenção, os sindicatos sequer estabelecem justificativa específica para a concessão de aumento real”, afirmou.

Por outro lado, Peduzzi ressaltou que a IMBEL também não apresentou elementos que comprovassem que a concessão de um reajuste 0,8% maior do que a sua proposta afetaria seu orçamento a ponto de inviabilizar as atividades de uma empresa que teve resultado superior a R$ 50 milhões em 2015 .

Jornada de trabalho

Em relação à jornada de trabalho, a relatora assinalou que o artigo 7º, inciso III da Constituição Federal estabelece a duração do trabalho não superior a oito horas diárias e 44 semanais, e sua redução só é possível por meio de acordo ou convenção coletiva (inciso XIII). No caso, porém, a redução para 42 horas vigente anteriormente foi fixada por meio de sentença normativa (decisão judicial), e não negociação. Assim, não seria possível ao TST impor, sem condição preexistente, jornada inferior à prevista na Constituição.

Divergência

O ministro Emmanoel Pereira ficou vencido quanto à jornada de trabalho. Na sua avaliação, o restabelecimento da jornada de 44 horas ocasionaria um aumento percentual na duração semanal de 4,76%, e esse índice deveria ser acrescido ao reajuste. A divergência foi seguida pela ministra Kátia Magalhães Arruda.

(Dirceu Arcoverde/CF)

Processo: DC-15202-36.2016.5.00.0000

A Seção Especializada em Dissídios Coletivos é composta por nove ministros. São necessários pelo menos cinco ministros para o julgamento de dissídios coletivos de natureza econômica e jurídica, recursos contra decisões dos TRTs em dissídios coletivos, embargos infringentes e agravos de instrumento, além de revisão de suas próprias sentenças e homologação das conciliações feitas nos dissídios coletivos.
Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4907
secom@tst.jus.br
<!– –> var endereco; endereco = window.location.href; document.write(‘‘) <!—-> Inscrição no Canal Youtube do TST

Fonte Oficial: http://www.tst.jus.br/web/guest/noticias?p_p_id=89Dk&p_p_lifecycle=0&refererPlid=10730&_89Dk_struts_action=%2Fjournal_content%2Fview&_89Dk_groupId=10157&_89Dk_articleId=24354548.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Comprovante de pagamento permite validar depósito recursal sem autenticação no boleto

document.write(‘Seguir‘); !function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(!d.getElementById(id)){js=d.createElement(s);js.id=id;js.src=”http://platform.twitter.com/widgets.js”;fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}}(document,”script”,”twitter-wjs”); Dados como o código de barras vinculam o pagamento ao processo A …