Câmara Municipal de São Paulo Conferência Produção mais Limpa discute áreas verdes de São Paulo

16ª Conferência Climática reuniu especialistas para debater o plantio de árvores, reflorestamento, preservação de áreas verdes, parques e ocupações de mananciais

ELDER FERRARI
DA WEB RÁDIO CÂMARA

“Áreas Verdes de São Paulo: Ameaças e Conquistas”. Esse foi o tema da 16ª Conferência – Produção Mais Limpa e Mudanças Climáticas, organizada pelo mandato do vereador Gilberto Natalini (PV).

A Conferência foi realizada nesta segunda-feira (4/12). Reuniu diversos especialistas, tratou do plantio de árvores, reflorestamento, preservação das áreas verdes da cidade, parques municipais e das ocupações dos mananciais, extremamente danosas ao meio-ambiente.

Plantio de Árvores

Marcia Hirota, diretora da Fundação SOS Mata Atlântica, ressalta que a cidade de São Paulo conta com apenas 17,5% de mata preservada, nos extremos norte, na Serra da Cantareira, e sul da cidade, em Parelheiros. Ela destacou que a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente está elaborando um Plano Municipal da Mata Atlântica.

“Eles fizeram um amplo levantamento das áreas onde ainda existe floresta na cidade e onde precisa ser recuperado. Nós precisamos fazer com que as autoridades preservem e criem mais unidades de conservação. E façam com que o próprio cidadão contribua com mais verde: em casa e nos bairros.”

O engenheiro agrônomo e arborista Joaquim Teotônio Cavalcanti Neto, dono da PlantCare, empresa especializada em arborização urbana, entende que o plantio de árvores na cidade é importante, mas deve ser monitorado pelo poder público.

“Não é adequado que as pessoas saiam plantando aquilo que lhes vem à cabeça, porque elas podem plantar árvores de porte gigante, provocando prejuízos à cidade”.

Quedas de árvores

Segundo o Programa USP Cidades Globais, a cidade de São Paulo conta hoje com 650 mil árvores plantadas fora dos parques públicos, o que demanda custo e planejamento.

Um dos grandes problemas das árvores da cidade de São Paulo é a manutenção delas, já que muitas estão infestadas de pragas.

No início do ano, por exemplo, quando tivemos  o quarto janeiro mais chuvoso dos últimos 75 anos, São Paulo registrou ao longo do mês a queda de 833 árvores – 26,9 por dia. A manutenção das árvores deve ser feita constantemente, principalmente as podas adequadas, retirando galhos que possam provocar a queda.

Durante a Conferência também foi destacada a ampliação de um inventário das árvores da cidade, para que se possa conhecer a saúde de cada uma delas. No caso das pragas, o pesquisador científico Francisco Zorzenon, do Instituto Biológico, que é ligado a Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento, explicou que foi desenvolvida uma metodologia de prospecção interna de árvores.

“A gente consegue analisar a porcentagem de danos internos causados por cupins e outros insetos. Isso é importante para saber se há necessidade de supressão ou não da planta, evitando que essa árvore caia prematuramente e provoque estragos.”

Preservação de áreas verdes e de mananciais 

As principais preocupações dos ambientalistas na cidade de São Paulo são o crescimento desordenado da mancha urbana e a especulação imobiliária em áreas verdes, as invasões dos movimentos sem-teto em áreas de proteção ambiental, os loteamentos clandestinos por grilagem urbana, e as ocupações esparsas em áreas de mata por barracos isolados.

O meio ambiente acaba sendo a principal vítima do déficit habitacional na cidade de São Paulo, que é de aproximadamente 360 mil unidades. A superintendente de Gestão Ambiental da USP, Patricia Iglecias, ressaltou que o poder público pode atacar esse déficit de moradias sem necessariamente afetar o meio ambiente, usando, por exemplo, áreas industriais descontaminadas.

“Existem áreas que foram contaminadas por atividades industriais, que passam por processos de remediação para utilização. Não necessariamente é preciso desmatar uma área que está preservada para habitação”.

Marcos Buckerige, coordenador do Programa USP Cidades Globais, dá uma dimensão da importância de se preservar as áreas verdes da cidade e usa como exemplo a Serra da Cantareira, na zona norte.

“Os 79 km quadrados da Cantareira preservada equivale a 12 vezes o rio Tietê passando por cima da cidade. Isso cria rios aéreos de vapor de água, o que é extremamente importante, pois espalha as frentes frias e evita as fortes chuvas e, consequentemente, os alagamentos.”

Revisão do Projeto de Arborização

Diante de toda essa problemática, o vereador Gilberto Natalini (PV), proponente das Conferências – Produção Mais Limpa e Mudanças Climáticas, informou que vai tentar a revisão do projeto de arborização da cidade de São Paulo, que é de 1987, da época do prefeito Jânio Quadros.

“Os conceitos avançaram e a Lei está ultrapassada. Nós estamos revendo a Lei, ponto a ponto, para apresentar um novo projeto de arborização para a cidade de São Paulo.”

Valorização das RPPNs

Também durante a Conferência, o vereador Gilberto Natalini assinou um Projeto que cria uma nova forma de Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN). Segundo o vereador, o Projeto vai propor a compensação financeira da manutenção ou preservação das áreas verdes em terrenos ou propriedades privadas.

Fonte Oficial: http://www.camara.sp.gov.br/blog/conferencia-producao-mais-limpa-discute-areas-verdes-de-sao-paulo/.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Câmara Municipal de São Paulo Câmara aprova PL sobre o uso de símbolos oficiais

Painel de votação da Sessão Plenária desta terça-feira (17/4) MARCO ANTONIO CALEJODA REDAÇÃO Por 31 …

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!