Liminar suspende sessão do júri do empresário Sérgio Nahas – STF

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu a sessão de julgamento do empresário Sérgio Nahas, acusado de matar a esposa, por Tribunal do Júri de São Paulo (SP), designada para os próximos dias 14, 15 e 16 de março. Ao conceder liminar no Habeas Corpus (HC) 149637, o relator verificou a plausibilidade da alegação da defesa no sentido de que o recurso apresentado pelo MP-MP contra a sentença de pronúncia foi apresentado fora do prazo legal de cinco dias.

Após a sentença de pronúncia (decisão que submete o réu a júri popular), o Ministério Público interpôs recurso em sentido estrito, acolhido pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) para incluir na imputação a qualificadora relativa a recurso que impossibilitou a defesa da ofendida. Em HC impetrado no Superior Tribunal de Justiça (STJ), aquela corte declarou não ter competência para apreciar a matéria, pois esta já fora objeto de análise em recurso especial.

A certidão expedida pelo MP-SP, a pedido do diretor do Cartório da 1ª Vara do Júri, atesta que o processo relativo ao caso foi recebido naquele órgão no dia 16 de março de 2007, uma sexta-feira, e remetido à Promotoria de Justiça do Tribunal do Júri na mesma data. A contagem do prazo recursal ocorreu a partir do dia 19 de março de 2007 (segunda-feira), encerrando-se o período de cinco dias, nos termos do artigo 798 do Código de Processo Penal (CPP), em 23 de março de 2007 (sexta-feira). O recurso, por sua vez, foi apresentado pelo Ministério Público em 10 de abril de 2007.

Para o ministro Celso de Mello, a certidão emitida pelo MP-SP confere “densa plausibilidade jurídica” à pretensão dos advogados do acusado, uma vez que demonstra, de modo objetivo, a alegação de extemporaneidade do recurso. Segundo o relator, o documento oficial, emitido por agente público competente, torna incontroversos os fatos alegados pela defesa, tornando viável a utilização da ação de habeas corpus.

Em sua decisão, o ministro registrou que sua posição pessoal seria pelo reconhecimento da tempestividade do recurso do MP estadual, e citou precedente que detalha seu entendimento no sentido de que o prazo para o Ministério Público recorrer começa a fluir da data em que seu representante teve conhecimento efetivo e pessoal do acordão, sendo processualmente irrelevante, para esse fim, o dia em que o processo foi encaminhado fisicamente. No entanto, observou que o Plenário do Supremo, ao julgar o HC 83255, firmou entendimento diverso, no sentido de que a tempestividade dos atos processuais de natureza recursal é aferida a partir da data do recebimento dos autos no âmbito administrativo do Ministério Público. Assim, com base no princípio da colegialidade, o ministro acolheu a diretriz jurisprudencial prevalecente no ST

Reconsideração

O ministro Celso de Mello reconsiderou sua decisão inicial no processo – de não conhecimento do HC – após agravo regimental interposto pela defesa. Na nova decisão, o relator assegura o trâmite do HC e defere o pedido de medida liminar para suspender, cautelarmente, a sessão de julgamento da ação penal.

Leia a íntegra da decisão.

EC/AD

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=372071.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Ministro suspende decisão do CNJ que instaurou novo processo disciplinar contra juiz dois anos após arquivamento do primeiro – STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu medida liminar no Mandado …