Ministro Humberto Martins é nomeado corregedor nacional de Justiça para o biênio 2018-2020 – STJ

A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, no exercício interino da presidência da República, assinou nesta sexta-feira (13) a nomeação do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Humberto Martins para o cargo de corregedor nacional de Justiça.

Atual vice-presidente do STJ, Martins teve seu nome aprovado pelo Senado Federal na última quarta-feira (11). Ele vai assumir o novo cargo no próximo dia 24 de agosto, em substituição ao ministro João Otávio de Noronha, que foi o corregedor nacional no último biênio. A corregedoria integra o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e é sempre exercida por um ministro do STJ.

Ao ser informado da nomeação, o futuro corregedor afirmou que buscará exercer a missão no CNJ com “humildade, prudência e sabedoria, focando sempre a dignidade e o respeito da magistratura brasileira em favor da cidadania”.

Sobre o indicado  

Humberto Martins é natural de Maceió e atua como ministro do STJ desde 14 de junho de 2006. Foi advogado, promotor, procurador, juiz eleitoral e desembargador, além de ter ocupado outras funções relevantes. No STJ, já presidiu a Segunda Turma e a Primeira Seção, atua na Corte Especial e no Pleno e exerce a vice-presidência do tribunal desde setembro de 2016.

O ministro tem formação em direito e administração de empresas, além de especializações nas áreas de direito civil e processual civil e direito do consumidor.

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/QCNgNiXZUeg/Ministro-Humberto-Martins-%C3%A9-nomeado-corregedor-nacional-de-Justi%C3%A7a-para-o-bi%C3%AAnio-2018%E2%80%932020.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Segunda Turma rejeita fato consumado e mantém embargo de restaurante em praia no RN – STJ

A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reafirmou jurisprudência da corte e negou …