Novas discussões sobre a forma de recolhimento da CPRB avançam nos tribunais – JOTA

O regime da desoneração da folha de salários, previsto na Lei n° 12.546/2011, determina a possibilidade de substituição da Contribuição Previdenciária patronal de 20% incidente sobre a folha de salários pela Contribuição Previdenciária incidente sobre a receita bruta (“CPRB”).

Diante da tramitação no Congresso Nacional de um Projeto de Lei que prevê o fim do regime da desoneração da folha, pelo menos para a grande maioria dos setores, os contribuintes passaram a buscar o judiciário para recuperar eventuais créditos decorrentes do recolhimento a maior da CPRB.

Além da tese já amplamente divulgada – e que tem sido aceita pelos tribunais – de exclusão de tributos (ICMS, ISS, PIS e COFINS) da base de cálculo da CPRB, duas teses ganharam especial atenção nos últimos meses e merecem uma análise detalhada. Uma delas trata da possibilidade de excluir a receita decorrente de exportação indireta da base de cálculo da CPRB, e a outra da possibilidade de calcular a CPRB pela sistemática da não-cumulatividade.

Pois bem. De início, importante esclarecer que a Lei nº 12.546/2011 não definiu o conceito de receita bruta que deveria ser usado para a apuração da base de cálculo da CPRB e não fez qualquer remissão à legislação de outro tributo. Para dirimir esse ponto, a Receita Federal se manifestou no sentido de que o conceito de receita bruta deveria guardar consonância com aquele utilizado na legislação tributária, qual seja do PIS e da COFINS. Essa orientação traz alguns reflexos para o cálculo da CPRB.

Com relação às exportações, destacamos que o artigo 149, parágrafo 2º, inciso I, da Constituição Federal instituiu uma imunidade tributária, determinando que as contribuições sociais e de intervenção no domínio econômico não incidirão sobre as receitas decorrentes de exportação. Não houve distinção entre as exportações diretas e aquelas feitas por intermédio de trading companies, denominadas exportações indiretas.

No caso do PIS e da COFINS, a legislação é expressa no sentido de que as vendas a empresa comercial exportadora com o fim específico de exportação (exportações indiretas) não compõe a base de cálculo destes tributos.

No caso da CPRB, porém, a questão ainda é controversa. A Instrução Normativa RFB nº 1.436/2013, que dispõe sobre a CPRB, expressamente determinou que a receita bruta proveniente de vendas a empresas comerciais exportadoras compõe a base de cálculo da CPRB.

Acontece que a legislação tributária, em diversos diplomas, equipara as exportações indiretas às exportações diretas – como o fez a própria Lei nº 12.546/11 – quando a empresa que adquire produtos do produtor-vendedor desenvolve a atividade de exportação como simples repassadora do produto. A legislação do PIS e da COFINS, que passou a influenciar o cálculo da CPRB após a manifestação da Receita Federal sobre o que seria receita bruta para fins de cálculo da CPRB, é expressa no sentido de que as vendas a empresa comercial exportadora não compõe a base de cálculo desse tributo.

Além disso, em casos relacionados à contribuição ao SENAR, existem precedentes favoráveis dos Tribunais Regionais Federais que reconhecem a inconstitucionalidade e ilegalidade da exigência de contribuições sociais incidentes sobre as receitas decorrentes das exportações indiretas. Especificamente com relação à CPRB, a jurisprudência ainda é incipiente e não é possível idêntica uma linha a ser seguida. Entretanto, apontamos que existe precedente favorável nos Tribunais Regionais Federais.

Por fim, vale destacar que o Supremo Tribunal Federal, ao analisar o Recurso Extraordinário nº 759.244, reconheceu a repercussão geral a respeito da aplicação ou não, da imunidade prevista no art. 149, §2º, I da Constituição Federal, às exportações indiretas, isto é, aquelas intermediadas por trading companies ou empresas comerciais exportadoras.

Ainda que a discussão travada no Recurso Extraordinário nº 759.244 não seja específica sobre CPRB, eventual desfecho favorável aos contribuintes certamente fortalecerá a defesa daquela tese, já que o Supremo Tribunal Federal analisará a equiparação das exportações indiretas às diretas para fins de aplicação da imunidade prevista no art. 149, § 2º, I, da Constituição.

Diante desse cenário, é possível defender que a previsão contida no art. 3º, I, §1º, da IN nº 1.436/2013 é inconstitucional e ilegal, pois considerar que as vendas a empresas comerciais exportadoras compõe a base de cálculo da CPRB é ampliar indevidamente a base de cálculo da CPRB e majorar este tributo, o que é vedado pelo princípio da legalidade tributária e isonomia.

Já com relação à não cumulatividade do regime, destacamos que em 2003 a Constituição Federal foi alterada pela Emenda Constitucional nº 42/2003, que incluiu o parágrafo 13º no artigo 195 e autorizou a substituição gradual, total ou parcial, da contribuição do empregador incidente sobre a folha de salário, por contribuição incidente sobre a receita ou o faturamento. Por sua vez, a mesma Emenda Constitucional incluiu o parágrafo 12º no artigo 195, determinando que a lei deverá definir para quais setores de atividade econômica as contribuições incidentes sobre a receita ou o faturamento (inclusive as substitutivas) serão não-cumulativas.

A interpretação dos dispositivos constitucionais supra mencionados, com amparo nos diplomas que criaram a sistemática da não-cumulatividade (anteriormente para o PIS e a COFINS), leva ao entendimento de que a lei deveria definir determinados setores para os quais a tributação de sua receita seria não cumulativa. É dizer: uma vez definidos os setores, todas as contribuições a ele aplicáveis (do PIS, da COFINS e da CPRB) necessariamente seriam não-cumulativas (ou cumulativas).

Acontece que a Lei nº 12.546/11 determinou a substituição da contribuição previdenciária sobre a folha pela contribuição incidente sobre a receita bruta e não indicou para quais setores essa contribuição substitutiva seria apurada pela sistemática da não cumulatividade.

A despeito dessa omissão na legislação da CPRB, tendo em vista a interpretação sistemática do artigo 195, parágrafo 12º, da CF/88 exposto acima, não é adequado que um setor tributado pelo PIS e pela COFINS não-cumulativos esteja, ao mesmo tempo, sujeito ao recolhimento da CPRB no regime cumulativo. A análise conjunta da literalidade dos §§ 12º e 13º do artigo 195 da CF/88 evidencia que o intuito da Constituição Federal era estipular determinados setores econômicos que estariam sujeito ao regime não cumulativo, o que abrangeria tanto o PIS e COFINS como a CPRB.

Essa intepretação seria mais adequada ao que determina a Constituição Federal, de modo que se uma empresa de determinado setor econômico esteja recolhendo o PIS e a COFINS pela sistemática não-cumulativa também deveria recolher a CPRB dentro dessa sistemática (podendo descontar créditos calculados sobre custos, despesas e encargos vinculados à receita bruta tributada pela CPRB, da mesma forma que é feito para fins de cálculo do PIS e da COFINS), e vice-versa. Descabido seria interpretar a legislação de forma diversa.

No âmbito judiciário, a jurisprudência ainda está em desenvolvimento, mas já existem decisões favoráveis quanto à possibilidade de cálculo da CPRB pela sistemática não-cumulativa mediante o desconto de créditos sobre custos, despesas e encargos vinculados à receita bruta sujeita ao recolhimento da CPRB (da mesma forma que é feito no cálculo do PIS/COFINS).

Assim, num cenário de incerteza com relação ao futuro do regime da desoneração da folha, é prudente que as empresas interessadas no assunto averiguem se recolheram a CPRB em montantes maiores do que deveriam, seja porque incluíram os valores de ICMS, ISS, PIS e COFINS no cálculo da CPRB, ou porque recolheram a CPRB sobre as receitas de exportação indireta ou se valeram da sistemática da não cumulatividade apenas para cálculo do PIS e da COFINS e não o fizeram em relação à CPRB. Nesses casos cabe avaliar o ingresso com medida judicial para recuperar os valores recolhidos a maior e ajustar os recolhimentos futuros da CPRB.

Fonte Oficial: https://www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/novas-discussoes-sobre-a-forma-de-recolhimento-da-cprb-avancam-nos-tribunais-16042018.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Conselho avalia embate do presidente da OAB com criminalista por execução provisória – JOTA

A reunião do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, nesta terça-feira (17/4), se transformou …

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!