Carf mantém maior parte de cobrança bilionária contra Ambev – JOTA

O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) manteve, nesta quarta-feira (16/5), a maior parte de uma cobrança fiscal bilionária contra a Ambev, relativa à fusão da cervejaria brasileira com o grupo belga Interbrew em 2004. A Receita Federal exigiu o Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) calculados sobre dois ágios gerados na reestruturação societária. Além dos tributos, a fiscalização aplicou multa qualificada de 150%.

Segundo fontes próximas ao processo, a soma dos ágios atinge R$ 8,5 bilhões e a cobrança fiscal em disputa totaliza R$ 5,5 bilhões, a valores de 2010. O formulário de referência de 2017 divulgado pela Ambev atribui ao processo o montante de R$ 2,8 bilhões, valor considerado pela empresa como perda “possível”.

+JOTA: Quer receber relatórios sobre os principais julgamentos tributários no STF, no STJ e no Carf, no mesmo dia das sessões? Experimente nossas newsletters temáticas sobre Direito Tributário!

A 2ª Turma da 3ª Câmara da 1ª Seção definiu que incidem IRPJ e CSLL sobre um dos ágios, avaliado em R$ 7,1 bilhões de acordo com os interlocutores. Por voto de qualidade, os julgadores representantes da Fazenda Nacional entenderam a empresa desrespeitou a legislação que normatiza a possibilidade de amortização. Também por voto de qualidade, o colegiado entendeu que houve intuito de fraude na operação, de forma a preservar em 150% a penalidade calculada sobre os tributos mantidos. A chamada multa qualificada é aplicada quando há dolo ou fraude por parte do contribuinte.

Por outro lado, para a maioria dos julgadores, a empresa atendeu aos critérios para deduzir R$ 1,4 bilhões do cálculo do imposto e da contribuição, montante referente ao ágio observado em uma oferta pública de ações. Diante disso, a turma cancelou a exigência fiscal sobre esse valor.

Para reverter a decisão, tanto a empresa quanto a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) podem recorrer à Câmara Superior, última instância dentro do Carf. Consultada, a Ambev informou que não comenta casos em andamento.

Em sustentação oral, a PGFN defendeu que a cervejaria organizou as operações societárias somente com o objetivo de reduzir a carga tributária a ser paga no Brasil. Segundo a PGFN, a empresa registrou indevidamente ágio de R$ 1,4 bilhão na oferta pública de ações, valor que não corresponderia a um ativo comprado pela companhia com expectativa de rentabilidade futura.

Além disso, a Fazenda Nacional alegou que a Ambev transferiu artificialmente o ágio de R$ 7,1 bilhões entre companhias do grupo, o que seria vedado pela legislação tributária que normatiza os critérios para as empresas aproveitarem o tratamento fiscal mais benéfico. Portanto, a procuradoria argumentou que o grupo teria manipulado a reestruturação societária a fim de trazer para o Brasil um ágio que teria sido registrado no exterior.

Por outro lado, a defesa da Ambev argumentou em sustentação oral que a empresa respeitou os critérios legais para deduzir o ágio da base tributável pelo IRPJ e pela CSLL. Segundo a cervejaria, o Carf deveria cancelar as cobranças fiscais e, caso as autuações fossem mantidas, reduzir a multa de 150% a 75%.

Julgamento anterior

A 1ª Seção do tribunal administrativo havia analisado em novembro de 2014 outro processo relativo à mesma reestruturação societária na fusão entre a cervejaria brasileira Ambev e o grupo belga Interbrew. À época, a 3ª Turma da 1ª Câmara da 1ª Seção vedou que a empresa retirasse os dois ágios do cálculo do IRPJ e da CSLL, porém reduziu de 150% para 75% a penalidade calculada sobre os tributos.

No formulário de referência de 2017, a Ambev atribuiu ao processo o valor de R$ 5 bilhões, com uma chance “possível” de perda. A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) já recorreu da decisão à Câmara Superior.

Quanto ao ágio relativo à oferta pública de ações, o colegiado entendeu que a amortização desrespeitou os critérios legais para o contribuinte reduzir o cálculo dos tributos. “A recorrente amortizou um ágio de terceiros, desvinculado da operação real de aquisição do controle da recorrente por pessoa jurídica estrangeira”, lê-se no voto do conselheiro relator Aloysio José Percínio da Silva.

O colegiado também manteve a cobrança fiscal sobre o ágio de R$ 7,1 bilhões, em linha com a decisão da 2ª Turma da 3ª Câmara da 1ª Seção nesta quarta-feira (16/5). “Tal arquitetura empresarial gera despesa não dotada do pressuposto de necessidade para dedução da base de cálculo”, escreveu Silva.

Apesar de a turma considerar que a Ambev deduziu os valores indevidamente, os julgadores entenderam que a multa deveria ser reduzida de 150% para 75%. “Inexiste nos autos prova de tentativa fraudulenta de encobrir ou mascarar os fatos”, afirmou o relator.

Processos tratados na matéria:

16561.720063/2016-36

16561.720087/2011-81

Fonte Oficial: https://www.jota.info/tributos-e-empresas/tributario/carf-mantem-parte-cobranca-bilionaria-ambev-17052018.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Apaixonado, militar beijou guerrilheira do Araguaia antes de fuzilá-la – Congresso em Foco

Mesmo sendo o foco de pesquisas, livros e documentários nos últimos anos, a guerrilha do …

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!