PF diz que Gleisi recebeu R$ 885 mil em propina repassada em cinco parcelas – Congresso em Foco

 

Geraldo Magela / Agência Senado

PF afirma que valores foram divididos em cinco pagamentos, quatro feitos pela Consist e um pela Tam Linhas Aéreas

 

A Polícia Federal (PF) concluiu, em inquérito que tramita no âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF) contra a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que foram encontradas evidências de que a presidente nacional do Partido dos Trabalhadores recebeu cerca de R$ 885 mil em propina. O dinheiro, repassado em cinco pagamentos, teria origem em um esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato. O inquérito investiga a petista por corrupção, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

<< PF envia relatório de investigação contra Gleisi e Paulo Bernardo ao STF

Em relatório, a PF afirma que quatro dos pagamentos realizados a Gleisi teriam sido feitos pela empresa Consist, a mesma investigada na Operação Custo Brasil, que tem como principal alvo o ex-ministro do Planejamento e marido da petista, Paulo Bernardo. Outro pagamento, de R$ 300 mil, teria partido da TAM Linhas Aéreas.

Ainda de acordo com as investigações da PF, os pagamentos à senadora foram feitos por meio do escritório do advogado Guilherme Gonçalves, que atuava para o casal.

Fundo Consist

A Consist, empresa de gestão de empréstimos consignados, foi contratada pelo Ministério do Planejamento durante o período em que Paulo Bernardo comandou a pasta, entre 2005 e 2011. De acordo com a PF, a contratação da Consist foi direcionada pelo ministério e foram desviados cerca de R$ 100 milhões entre 2010 e 2015, segundo estimativas da Polícia Federal, Ministério Público e Receita Federal.

As suspeitas de desvios da empresa originou a Operação Custo Brasil, desdobramento da Lava Jato, que chegou a prender preventivamente o ex-ministro Paulo Bernardo, que ficou preso, em junho de 2016, por seis dias.

Durante a investigação, a PF concluiu que há indícios de que Gleisi, Paulo Bernardo e pessoas ligadas ao casal receberam aproximadamente R$ 7 milhões originários do “fundo Consist” e pagos pelo escritório de Gonçalves. O delegado Ricardo Hiroshi Ishida aponta que os valores eram, na verdade, produto de corrupção

Já o pagamento feito pela empresa aérea foi encontrado em uma planilha identificada como “eleitoral Gleisi” durante a Custo Brasil, no escritório de Guilherme Gonçalves. Ele afirmou, em depoimento, que seu escritório não prestou serviços à empresa e que o pagamento era correspondente a “honorários de campanha” de Gleisi em 2010, quando ela foi eleita senadora.

<< Dodge pede condenação, multa e perda do mandato de Gleisi Hoffmann

Continuar lendo

Fonte Oficial: http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/pf-diz-que-gleisi-recebeu-r-885-mil-em-propina-repassada-em-cinco-parcelas/.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Apaixonado, militar beijou guerrilheira do Araguaia antes de fuzilá-la – Congresso em Foco

Mesmo sendo o foco de pesquisas, livros e documentários nos últimos anos, a guerrilha do …

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!