Bullying pode parecer apenas brincadeira, dizem debatedores — Senado Notícias

O limite entre a brincadeira e o bullying é tênue, mas possível de ser detectado: basta observar e questionar se todos os atores estão realmente se divertindo com a situação, ou se há alguém ofendido, acuado, vitimizado. A orientação foi dada pelos participantes da audiência pública da Comissão Parlamentar de Inquérito dos Maus Tratos desta quinta-feira (17).

A dificuldade para descobrir a existência do processo e a crença generalizada da maioria da população de que “não se pode mais nem brincar que tudo vira bullying” foram mencionadas pelo relator da CPI, senador José Medeiros (Pode-MT), mas rechaçadas pelos oradores.

— A partir do momento em que a pessoa está ali, sem vontade, sem partilhar da brincadeira, e isso está sistematizado, com o intuito de diminuir, violentar, de agredir, e a pessoa passa a ter de fato um processo de vitimização, aí a gente já está falando de bullying e não de brincadeira — explicou o psiquiatra André Salles.

Na opinião de Aloma Felizardo, professora de Psicologia Social, a violência que percebemos nos processos de bullying não chega a 10% do que realmente acontece, é apenas a ponta de um iceberg. A violência psicológica não é considerada e acaba levando à automutilação e às tentativas de suicídio. Segundo ela, para auxiliar a mudar essa realidade, a informação precisa circular, o tema deve ser tratado nas escolas, nas igrejas, pelas famílias, com a oferta de cursos de capacitação e formação sobre o assunto, suas causas, como detectar o problema e também sobre resolução de conflitos. Ela elogiou e pediu a ampliação da distribuição de cartilhas sobre bullying e ciberbullying.

Aloma também cobrou que as Leis 13.185, de 2015, reconhecendo o bullying, e 13.663, de 2018, que obriga escolas a adotarem medidas de prevenção e combate a todos os tipos de violência, saiam do papel e realmente entrem em vigor.

Atenção

O professor e pesquisador Hugo Ferreira deu ainda outra sugestão para ajudar na identificação do problema: a mudança de postura dos adultos, passando a ouvir crianças e adolescentes. Ele explicou que as vítimas são envolvidas numa grande rede, num processo cruel, com agressores que atraem o apoio ou a conivência dos demais colegas, e a vítima tem medo de falar de seu sofrimento. Quando pais e professores adotam uma postura atenta e receptiva, as vítimas de bullying costumam se abrir porque se sentem seguras.

— As crianças percebem o mundo, são atentas, críticas e inteligentes. É só ouvi-las, aí a gente consegue detectar. De modo geral, a gente não tem ouvido, esse é um dos maiores problemas. Vamos ouvi-las, vamos sair dessa nossa condição de sabe tudo. Adulto vive num processo esquisitíssimo que precisa revisar. Seria bom se houvesse um senado de crianças, legislando, o mundo ia ser outro e não estaríamos discutindo aqui uma violência desse porte.

Preconceito

Os números apresentados pelo representante do Ministério da Educação, Francisco Marques, ilustraram a gravidade do bullying, do preconceito e da discriminação, fenômenos que não são iguais, mas estão intimamente ligados, avaliou. Ele disse que 17,5% dos estudantes brasileiros sofrem bullying, muitas vezes motivados pela “diferença”.

Marques citou dados de uma pesquisa feita em 2015 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), quando 15 mil estudantes do ensino médio e da Educação de Jovens e Adultos foram questionados sobre expressões preconceituosas. Concordaram com a sentença “brancos são mais evoluídos que negros” 25% dos alunos. Outros 20% concordaram que os indígenas são inferiores, 20%, que os estudantes da periferia só vão à escola por interesse na merenda, e mais de 25% acreditam que os homossexuais deveriam estudar em uma sala separada.

— O bullying mexe com questões psiquiátricas, psíquicas. Por isso ele é tão perigoso. É um tipo de violência que, ou abrimos os olhos para ela, ou ela nos transforma em bárbaros, em pessoas que não têm a capacidade de acolhimento — disse Hugo Ferreira.

Maus-tratos

Também falou à CPI dos Maus Tratos Alexandre Christian Mathieu Salaun, que responde na Justiça por abandono de incapaz. O francês vive em Paraty (RJ) e obteve a guarda da filha há cerca de um mês.

Ele negou ter maltratado a criança de sete anos, classificou a convivência da mãe com a filha como “tóxica”, alegou que a ex-mulher  praticava alienação parental contra ele, dificultando o acesso à filha antes de obter a guarda. Salaun frisou ainda que o Ministério Público está de posse de laudos que comprovam o desequilíbrio da mãe e, por isso, garantiram a ele a guarda .

O presidente da CPI, senador Magno Malta (PP-ES), pretende ouvir a psicóloga que elaborou esses laudos, quer acompanhar as ações do Conselho Tutelar de Paraty a respeito do caso e pretende ouvir as funcionárias de Alexandre que lidam com a criança.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2018/05/17/bullying-pode-parecer-apenas-brincadeira-dizem-debatedores.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Candidatos não poderão ser presos até o dia da eleição — Senado Notícias

A partir de sábado (22), nenhum dos candidatos às eleições deste ano poderá ser preso …