Dudu Nobre e empresário serão indenizados por produtora que os ofendeu nas redes sociais – Migalhas

A 11ª câmara Cível do TJ/RJ manteve sentença que condenou uma produtora freelancer ao pagamento de danos morais para o cantor Dudu Nobre e para o seu empresário. Para o colegiado, a produtora usou irresponsavelmente a internet ao ofender e cobrar o sambista nas redes sociais.

Durante as eleições de 2016, em que o cantor foi candidato a vereador, a produtora se desligou da campanha do sambista por desentendimentos. Após o ocorrido, a publicitária passou a realizar postagens em redes sociais afirmando não ter recebido o valor referente aos serviços prestados durante a campanha eleitoral de Dudu. Consta nos autos que a mulher passou a fazer “anticampanha”.

Diante da situação, o músico e o empresário ingressaram na Justiça, pleiteando indenização por danos morais em razão das postagens. Em 1º grau, a produtora foi condenada a pagar o valor de R$ 25 mil para o sambista e R$ 15 mil ao empresário, a título de danos morais.

A produtora apelou da decisão, no entanto, o desembargador Fernando Cerqueira Chagas, relator, não deu provimento ao recurso. O relator entendeu que conduta da mulher não se justifica. O magistrado asseverou o uso irresponsável da internet no caso, afirmando que ela é uma “ferramenta poderosa que alcança um número incalculável de pessoas, capaz de macular a imagem dos autores perante a sociedade”.

Fernando Chagas também pontuou que a liberdade de manifestação deve ceder espaço ao princípio constitucional da dignidade da pessoa humana.

“Embora o direito à livre expressão e informação estejam assegurados, o seu exercício por meio de redes sociais não é amplo e irrestrito, estando condicionado à preservação de outros direitos fundamentais igualmente tutelados.”

Veja a íntegra do acórdão.



Fonte Oficial: http://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI280293,61044-Dudu+Nobre+e+empresario+serao+indenizados+por+produtora+que+os.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Nova súmula do STJ trata do pagamento de indenização securitária – Migalhas

“A indenização securitária é devida quando ausente a comunicação prévia …

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!