Startup curitibana recebe R$ 1 milhão para produzir tecnologia que gera energia renovável – Prefeitura de Curitiba/PR

Imagine gerar a energia consumida na própria casa, empresa ou em uma propriedade rural quase de graça e de forma sustentável, não causando qualquer impacto para o meio ambiente?

A partir de novembro, a startup curitibana Metha começa a produzir em larga escala sua micro central hidrelétrica (MCH), um equipamento de pequenas dimensões, capaz de produzir energia elétrica a partir dos menores pontos de disponibilidade de água.

A Metha foi a única empresa do Paraná selecionada no programa Empresa Brasileira de Inovação e Pesquisa (Finep) para receber R$ 1 milhão, dinheiro que irá permitir à startup instalar sua linha de montagem e selecionar distribuidores do equipamento em todo o país.

“Esse investimento é fundamental para que possamos desenvolver nosso plano de negócios e crescer“, comemora o engenheiro mecânico Felipe Wotecoski, 31 anos, um dos sócios fundadores.

Trata-se de uma das iniciativas que estão sendo desenvolvidas na capital dentro do Vale do Pinhão, o movimento da Prefeitura e do ecossistema de inovação da capital para tornar Curitiba a cidade mais inteligente do país. 

 

Saiba mais:

 

Uma pequena queda d’água de um córrego ou rio, vertedouros e pontos de água sob pressão em indústrias já permitem à micro central hidrelétrica da Metha produzir energética natural, renovável e gratuita, garante Felipe. Com a tecnologia curitibana, a energia da água pode ser transformada e reaproveitada em forma de eletricidade, reduzindo significativamente os custos de uma residência ou propriedade rural.  “Cada equipamento tem capacidade de gerar até 720 kW.h por mês, o suficiente para abastecer quatro moradias urbanas de porte médio. Seriam cerca de R$ 500 de economia de energia por mês”, conta ele.

De acordo com o sócio da Metha, um dos aspectos mais interessantes da tecnologia é o alto rendimento hidrelétrico, pois para a geração de energia não é necessário represamento de água e, portanto, sem impacto ambiental, o que torna a tecnologia curitibana uma ótima alternativa tanto para o meio urbano como para o setor rural. “É uma tecnologia de alta eficiência para baixa disponibilidade de água”, afirma Felipe.

Custo

Aprovada pela Copel, que obrigatoriamente precisa liberar a ligação do equipamento à rede de energia, a micro central hidrelétrica atende 100% as normas da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e já foi instalada em projetos-piloto em três propriedades rurais, em Colombo, Antonina e Sorocaba (SP), além da sede da Cooperativa Agroindustrial de Maringá (Cocamar).

Sete outras unidades estão sendo montadas para entrega a clientes. “Nosso principal mercado deverá ser do setor rural, pois este segmento ainda é muito carente de energia de custo baixo, mas a tecnologia pode ser aplicada também em grandes empresas que tenham descarte de água sob pressão, como cooperativas, curtumes, fábricas de tintas, montadoras, malharias e lavanderias industriais”, enumera Felipe. Cada equipamento custa R$ 19,9 mil.

Presença

De acordo com o sócio fundador da Metha, mesmo que na propriedade já tenha energia elétrica, é vantajoso instalar uma micro central para reduzir a conta de luz. “De fácil instalação, o equipamento tem o tamanho de um frigobar e atende as exigências da Lei de Micro Geração Distribuída. Com isso, se o dono da propriedade não consumir toda a energia, poderá rentabilizar o excedente com a concessionária local. Ou seja, abater as despesas de energia de outros imóveis da pessoa dentro do estado”, destaca Felipe.

Defensor de que a inovação precisa beneficiar toda a população, Felipe avalia que as micro centrais também poderiam ajudar a tornar equipamentos públicos autossustentáveis energeticamente e, com isso, reduzir gastos de prefeituras, por exemplo. “Parques com quedas d’água, como o Barigui, poderiam receber a tecnologia, reduzindo os custos com iluminação, assim como escolas, postos de saúde e outros estabelecimentos da cidade“, justifica o sócio fundador da Metha.

Vale do Pinhão

Desde 2016, a Metha faz parte do programa de incubação da Federação das indústrias do Estado do Paraná (FIEP), que permitiu à startup curitibana receber mentorias e capacitações para a criação do plano de negócios e a montagem dos primeiros protótipos. Para Felipe, essa parceria foi essencial, bem como as conexões que foram feitas no Vale do Pinhão.

“As conexões com o ecossistema nos permitiram receber nosso primeiro investimento em 2016, quando vencemos o Prêmio Sebrae de Inovação e produzimos os primeiros protótipos da micro central hidrelétrica. Com esse novo recurso do Finep, agora estamos prontos para iniciar a produção em larga escala e também criar um equipamento com design mais comercial”, salienta o sócio fundador da Metha. No primeiro ano, a fábrica da startup na Grande Curitiba deverá produzir 100 micro centrais, mas a linha de montagem terá uma capacidade total de 1 mil unidades/ano.

*

Como funciona a micro central hidrelétrica?

A energia hidráulica, disponível em uma queda d’água de um córrego ou rio ou em um ponto de disponibilidade de água, é convertida em energia mecânica por meio de uma turbina hidráulica e então convertida em energia elétrica por um gerador. A energia então passa por um inversor que garante a qualidade da energia gerada para abastecer o imóvel. A eletricidade então alimenta a rede elétrica da propriedade e o excedente pode ser lançado na rede da concessionária de energia, como a Copel, para se beneficiar do bônus gerado.

Fonte Oficial: http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/startup-curitibana-recebe-r-1-milhao-para-produzir-tecnologia-que-gera-energia-renovavel/46670.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Rua da Cidadania do Cajuru retoma o Encontro dos Artistas – Prefeitura de Curitiba/PR

    Recomeça nesta quinta-feira (25/10), às 19h, no auditório da Rua da Cidadania do …