Maestro João Carlos Martins participa do ciclo de palestras do STF e do CNJ – STF

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, participou, na última sexta-feira (29), do quarto evento do ciclo de palestras "Cidadão no Plural”, idealizado para compartilhar pensamentos e ideias para reflexão entre servidores do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do STF. A palestra “Superando” foi apresentada pelo maestro João Carlos Martins que, além de contar aspectos de sua trajetória profissional e pessoal, brindou os participantes com uma apresentação musical.

A presidente do STF agradeceu ao músico. “Pessoas como você fazem com que tenhamos em quem nos espelhar”, disse. “Leva a arte para que outros possam continuar a reproduzi-la, é um exemplo para todos nós”, completou. O convidado falou, com bom humor, sobre momentos marcantes de sua vida, entre os quais a sua vinda ao STF. “É um dos dias que vou guardar na memória: fazer uma palestra nesta instituição que é âncora do nosso País”.

Entre lembranças de participações em festivais e apresentações prestigiadas, como a realizada na sala de espetáculos Carnegie Hall, em Nova Iorque, o maestro falou de gratidão, perseverança e do poder transformador da arte. “Cada vez que tentava recomeçar, eu dizia a mim mesmo: a gente, quando nasce, é como uma flecha, tem que atingir o seu destino. Pode ser que tenhamos desvios, mas podemos corrigi-los para alcançar nosso objetivo”, disse em referência às 23 cirurgias a que foi submetido para combater a atrofia nos dedos e manter o sonho.

“Graças ao meu pai, desde cedo tivemos amor pela arte e pela cultura. Sabíamos que elas poderiam nos levar a representar o nosso País”. O pai, o português José, atribuía o talento do maestro ao “dom de Deus”. Para o maestro, 2% foram realmente dom de Deus, mas os outros 98% foram mesmo resultantes de disciplina.

Além da família como inspiração, João Carlos Martins lembrou outras figuras fundamentais em sua trajetória, como o também maestro Villa-Lobos e um jovem violoncelista que lhe pediu ajuda, que resultou na criação do projeto Orquestrando o Brasil – iniciativa com o objetivo de apoiar, capacitar e divulgar orquestras, bandas e conjuntos musicais de todo País.  “O sonho do maestro Villa-Lobos era fechar o Brasil em forma de coração com a música. Por meio da música, quero realizar este sonho”, disse. “Aproximar através da música, povos e gerações e transmitir uma mensagem de amor e paz”.

Ao lado do violoncelista Hudson Gorzoni, Martins tocou peça do compositor inglês Nigel Hess e a canção brasileira “Eu sei que vou te amar”. No encerramento do evento, prestigiou os presentes com o hino nacional brasileiro, acompanhado e aplaudido de pé por todos. “A meta de um artista é transmitir emoção ao público, de forma que o seu coração alcance o coração do público”, disse em agradecimento, retribuído pela presidente que aproveitou o momento para agradecer também aos servidores. “Tenho a certeza de os que estão aqui são o coração do Supremo. Um Tribunal que quer ser o melhor”.

DD/AD

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=382958.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Governo federal deve prestar informações sobre ações contra Covid-19 em povos indígenas – STF

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), solicitou a manifestação do presidente …