Ativistas pedem censo para conhecer necessidades dos autistas no Brasil – Câmara Notícias

Vinicius Loures/Câmara dos Deputados

Luiz Couto: políticas públicas devem acompanhar evolução das pesquisas

Ativistas dos direitos das pessoas com autismo pediram nesta terça-feira (3), em audiência pública na Câmara dos Deputados, que seja realizado um censo autista em conjunto com o Censo Demográfico de 2020.

O presidente do Movimento Orgulho Autista Brasil, Fernando Cotta, lembrou que as políticas públicas para o segmento já existem, mas elas ainda não saíram do papel porque é preciso realizar um levantamento da comunidade autista e de suas necessidades.

“Precisamos saber quantas pessoas com autismo existem neste país. Até hoje nos baseamos em estatísticas norte-americanas e europeias – no Brasil, infelizmente não há nenhum número oficial para que saibamos quantos autistas não estão nas escolas, por exemplo”, declarou Cotta, durante o debate promovido pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias.

Uma proposta em análise na Câmara (PL 6575/16) torna obrigatória a coleta de dados e informações sobre autismo nos censos demográficos realizados a partir de 2018. O texto, de autoria da deputada Carmen Zanotto (PPS-SC), está na Comissão de Constituição de Justiça e de Cidadania (CCJ).

Ensino
Na audiência de hoje, o professor Lucelmo Lacerda criticou a forma como a inclusão desse público vem sendo realizada nos colégios, sem levar em conta as limitações de cada um – no espectro autista, as restrições podem ser leves, moderadas ou severas.

Ele ressaltou que um diagnóstico precoce e correto daria os instrumentos necessários para que a criança autista possa ser educada de maneira adequada. Lucelmo Lacerda destacou que o ideal seria que a intervenção fosse realizada na escola e em casa, totalizando 40 horas semanais. “Isso ajudaria o autista a ter um vida completamente autônoma.”

Ouça esta matéria na Rádio Câmara

Bernardo Medina tem 18 anos e foi diagnosticado com autismo com um ano e 11 meses. Hoje ele cursa o terceiro ano do ensino médio e defende que as políticas públicas sejam aplicadas de acordo com a necessidade de cada nível de autismo. “Os autistas leves são mais independentes; nesse caso, as políticas públicas podem ser destinadas diretamente a eles. Já os autistas severos dependem da presença física de seus responsáveis, o que significa que as ações precisam ser direcionadas para esses pais ou cuidadores”, argumentou.

Pesquisas
O deputado Luiz Couto (PT-PB), autor do requerimento para a realização da audiência pública, destacou que é importante discutir o tema a cada ano para que os avanços das pesquisas possam ser incorporados ao atendimento a essa parte da população.

“Estamos debatendo com especialistas e com pessoas comprometidas com a causa dos autistas para que possamos estabelecer políticas públicas mais adequadas”, disse.

Com base em estudos realizados em outros países, estima-se que existam dois milhões de autistas no Brasil. O transtorno de desenvolvimento prejudica a capacidade de se comunicar e interagir e é quatro vezes mais comum em meninos.

Fonte Oficial: Câmara dos Deputados.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Uso de máscara transparente pode se tornar obrigatório para repórteres de TV — Senado Notícias

Com o objetivo de facilitar o acesso de pessoas com deficiência auditiva aos noticiários de …