Especialistas defendem, em comissão geral na Câmara, reavaliação de benefícios fiscais no País – Câmara Notícias

Especialistas defendem, em comissão geral na Câmara, reavaliação de benefícios fiscais no País

Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Do total de R$ 283,4 bilhões em gastos tributários concedidos pelo governo, 29% (R$ 82,1 bilhões) se concentram no Simples Nacional

Especialistas em tributos defenderam nesta quarta-feira (4), na Câmara dos Deputados, uma reavaliação de todos os benefícios fiscais concedidos no País. Segundo eles, a atual política de incentivos tributários não é transparente e deixa de cobrar do contribuinte favorecido uma contrapartida para a sociedade brasileira.

O secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, destacou que o Brasil deixa de arrecadar mais de R$ 283 bilhões com isenções, anistias, reduções de alíquotas, deduções, abatimentos e outros incentivos. O secretário da Receita criticou, por exemplo, o atual limite de faturamento para o enquadramento de pequenas empresas no Simples Nacional (R$ 4,8 milhões/ano). “Esse limite de mais de 1 milhão de dólares é muito elevado”. O enquadramento no Simples permite uma redução na carga tributária aplicada à empresa.

Na opinião de Rachid, além de reduzir o volume total de incentivos, o Brasil precisa garantir mais transparência e estabelecer critérios de avaliação e prazos para os benefícios fiscais. “Temos que conceder um benefício em troca de algo e, nesse caso, é do crescimento econômico. Não adianta dar um benefício apenas para subir a margem de lucro do contribuinte”, disse. Rachid ainda comentou propostas em tramitação na Câmara que já preveem alguns desses critérios (Projetos de Lei Complementar 378/17 e 487/18).

O deputado Esperidião Amin (PP-SC), que propôs o debate e é autor de um dos projetos, destacou que o objetivo é criar metas de desempenho e critérios objetivos para avaliação da eficiência de programas de governo que envolvam a concessão de benefícios de natureza tributária.

“O projeto procura conduzir a avaliação de cada incentivo de acordo com três tópicos: ajuda a gerar empregos? Contribui para competitividade do setor? O consumidor é beneficiado?”, destacou Amin.

Contrapartidas 
O economista Paulo Kliass criticou a “conta de padaria” que propõe o fim de todos benefícios fiscais como solução para o déficit primário de R$ 159 bilhões nas contas públicas. Para Kliass, é fundamental a manutenção de incentivos fiscais para alguns setores, como o de micro e pequenas empresas. Ele, entretanto, concorda que o correto seria avaliar quais empresas beneficiadas pelo governo rendem contrapartidas para a sociedade.

“Eu considero bastante equivocado demonizar a política de desoneração tributária. Outros países sempre se utilizaram de desoneração, subsídios e outros mecanismos para resolver problemas conjuntais, como crises econômicas, e para atender setores mais sensíveis da sua economia”, sustentou.

O deputado Edmilson Rodrigues (Psol-PA) questionou a ideia de incentivos para alguns setores da economia, sobretudo grandes empresas e oligopólios. “Há uma diferença entre o benefício que favorece quem produz imóveis para quem vive de especulação imobiliária e o benefício que favorece a construção de casas para os mais de 6 milhões de brasileiros sem teto”, argumentou.

Por fim, Charles Alcantara, que preside a Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco), cobrou mais transparência em relação aos benefícios concedidos nos estados. “Em alguns estados, as renúncias fiscais não são nem sequer publicadas. Fico a imaginar quanto dessa renúncia não tem controle algum. Isso é muito grave”, completou.

Do total de R$ 283,4 bilhões em gastos tributários concedidos pelo governo, 29% (R$ 82,1 bilhões) se concentram no Simples Nacional – tratamento diferenciado para micro e pequenas empresas. O segundo maior gasto tributário é com rendimentos isentos e não tributáveis, entre eles o pagamento de lucros e dividendos a sócios de empresas e benefícios como auxílio moradia e alimentação pagos a servidores públicos (R$ 27,1 bilhões).

Fonte Oficial: Câmara dos Deputados.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Projeto libera recursos do Suas para compra de álcool em gel e máscaras — Senado Notícias

Foi apresentado no Senado proposta que autoriza a utilização de recursos do Sistema Único de …