Mulheres pedem ações afirmativas e gestão profissional no futebol feminino – Câmara Notícias

Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher debateu o tema em audiência pública nesta quinta-feira

Em clima de Copa do Mundo, mulheres cobraram respeito, patrocínio, estrutura de base, ações afirmativas e gestão profissional no futebol feminino. O apoio a essa modalidade esportiva foi debatido nesta quinta-feira (5) em audiência pública da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara dos Deputados.

O debate reuniu atletas, dirigentes e representantes dos movimentos Deixa Ela Trabalhar e Mulheres de Arquibancadas, que relataram falta de respeito às mulheres dentro e fora dos gramados.

Apesar de conquistas recentes, o futebol feminino ainda é marcado por preconceitos, baixos salários e reduzido investimento, sobretudo na formação de atletas. O principal patrocinador do futebol feminino no Brasil é a Caixa Econômica Federal. Neste ano, no entanto, o banco reduziu o aporte de recursos devido ao corte de 35% em seu orçamento.

Os organizadores de competições nacionais ainda buscam alternativas de patrocínio e programaram reuniões com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e o Ministério do Esporte, depois da Copa da Rússia.

Para Alfredo Carvalho Filho, dono de uma empresa promotora de campeonatos (Sport Promotion), o Brasil ainda sofre de “miopia de marketing”, por não enxergar o potencial do futebol feminino. Segundo ele, a Caixa investiu R$ 10 milhões nos últimos quatro campeonatos brasileiros e teve retorno de R$ 107 milhões com a exposição da marca.

Cidadania
Ex-zagueira e capitã da seleção brasileira e atual dirigente da Federação Paulista de Futebol, Aline Pellegrino afirmou que parte do problema é cultural e que o futebol feminino pode ser um instrumento de transformação cidadã.

“A gente tem essa arma na mão para tentar melhorar uma sociedade enquanto espaço de homens e mulheres. A sociedade foi sempre pré-definida e a gente sabe o quão mal isso faz para as mulheres: desde violência, assédio e uma série de fatores que não adianta a gente achar que é ‘mimimi’. Antigamente, as coisas aconteciam de forma natural e ninguém falava nada. Hoje não cabe mais isso”, afirmou.

Aline defendeu a união de instituições que atuam na área para superar burocracias que travam o desenvolvimento do futebol feminino. Também citou o exemplo dos Estados Unidos, onde o investimento no esporte é dividido, meio a meio, entre as modalidades masculinas e femininas. Segundo Aline, a Lei do Profut (Lei 13.155/15), que permite o refinanciamento das dívidas de clubes de futebol, prevê contrapartidas de apoio ao futebol feminino que não vêm sendo cumpridas.

Assédio
Vítima de assédio em estádios e idealizadora do movimento Deixa Ela Trabalhar, a jornalista Bruna Dealtry se queixou que o Estatuto do Torcedor (Lei 10.671/03) ainda é muito vago quanto à repressão à violência contra as mulheres. Tanto na prática quanto na cobertura do esporte, Bruna sintetizou a necessidade de mudança cultural.

“Não queríamos passar a ideia de vítimas ou criar uma rivalidade entre homens e mulheres. Não é por aí, até porque todos fomos criados em uma sociedade machista. No começo das mulheres no jornalismo esportivo, elas entravam muito pelo padrão de beleza. Mas hoje em dia, não: a gente tem que ter conteúdo e a gente está aqui para fazer a diferença também, contando a história da nossa maneira”, disse Bruna.

Na Copa da Rússia, apenas 14% dos jornalistas são mulheres e muitas já foram vítimas de assédio durante o trabalho. Representante do movimento Mulheres de Arquibancadas, Carla Ambrósio repudiou o papel de “musas” para as mulheres e afirmou que o machismo não pode impedir a consolidação da presença feminina no contexto futebolístico.

Ações afirmativas
Organizadora do debate, a deputada Ana Perugini (PT-SP) sugeriu um seminário para buscar ações afirmativas de participação das mulheres no futebol.

“No ano que vem, nós teremos o Campeonato Mundial Feminino, que vai ocorrer na França. Nós precisamos tratar disso em um seminário para que saiamos daqui com apontamentos e para que possamos criar políticas afirmativas que possibilitem uma igualdade maior entre homens e mulheres, inclusive no mundo dos esportes”, disse a deputada.

O futebol feminino era proibido pelo Conselho Nacional de Desportos até o início da década de 1980, com base em um decreto (3.199/41) do ex-presidente Getúlio Vargas que citava “desportos incompatíveis com as condições da natureza” feminina. Desde 1996, o futebol feminino foi incluído na lista de esportes olímpicos.

Entre os resultados expressivos, as mulheres do futebol brasileiro conquistaram medalhas de ouro nos Pan-americanos de Santo Domingo (2003), Rio de Janeiro (2007) e Toronto (2015) e de prata nas Olimpíadas de Atenas (2004) e Pequim (2008).

Fonte Oficial: Câmara dos Deputados.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Mulheres terão prioridade no recebimento do auxílio emergencial para dependentes — Senado Notícias

Mães terão prioridade no recebimento do auxílio emergencial de R$ 600 para filhos que estejam …