Conselho de Comunicação Social aprova relatório favorável a medida judicial na internet – Câmara Notícias

Conselho de Comunicação Social aprova relatório favorável a medida judicial na internet

Por 8 votos a favor e 3 contra, o Conselho de Comunicação Social aprovou nesta segunda-feira (9) o relatório do conselheiro Sydney Sanches contrário ao projeto do deputado João Arruda (PMDB-PR). A proposta (PL 5130/16), que proíbe a suspensão de qualquer aplicação da internet por decisão do poder público, está sendo analisada na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados.

Jefferson Rudy/Agência Senado

Conselho de Comunicação aprovou relatório contra projeto que proíbe a suspensão de aplicativos por decisão do poder público

No mesmo relatório, Sanchez recomendou a aprovação do PL 5204/16, de autoria da CPI dos Crimes Cibernéticos, que admite a adoção de medidas judiciais, como o bloqueio, contra aplicativos de internet relacionados a crimes puníveis com pena mínima de dois anos de reclusão, e hospedados no exterior. A proposta determina ainda que aplicativos de mensagens instantâneas, como WhatsApp, não poderão bloqueados.

O texto tramita apensado ao PL 5130/16. As duas propostas alteram o marco civil da internet (Lei 12.965/14).

Tratamento especial
Para Sanchez, que representa os artistas no conselho, o projeto do deputado João Arruda “confere um tratamento especial às empresas de internet, que receberiam um salvo conduto para atos ilícitos”. Em contraposição, o projeto da CPI aprimora a legislação de combate à criminalidade na rede, seguindo tendências de outros países e convenções internacionais assinadas pelo Brasil.

“A submissão das medidas de bloqueio à apreciação prévia do Poder Judiciário é, ao invés de motivo de crítica ou preocupação, motivo de garantia do respeito aos princípios do ordenamento jurídico pátrio e dos direitos fundamentais dos jurisdicionados”, disse Sanchez.

O relatório foi elogiado pelo conselheiro Davi Emerich, um dos representantes da sociedade civil no conselho. Ele enfatizou que o PL 5204/16 está alinhado à experiência internacional. O conselheiro José Francisco de Araújo Lima, representante das empresas de televisão, também defendeu a aprovação do parecer de Sydney Sanches. “Admitir uma lei que viesse a proibir até a justiça de agir seria, para nós, concordar com o crime ilimitado”, disse.

Ouça esta matéria na Rádio Câmara

A conselheira Maria José Braga, que representa os jornalistas no colegiado, votou contrário ao relatório. “A internet precisa, sim, de regulação e as novas tecnologias precisam, sim, estar a serviço das nações e dos cidadãos”, disse.
O Conselho de Comunicação Social volta a se reunir no 6 de agosto, às 10 horas, para discutir mudanças no regimento interno. Às 14 horas haverá reunião deliberativa. O conselho é presidido pelo cientista político Murillo de Aragão, representante da sociedade civil.

Fonte Oficial: Câmara dos Deputados.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Senado vota MP que protege investimentos fora do país de volatilidade cambial — Senado Notícias

O Plenário do Senado votará nesta quarta-feira (8), a partir das 16h, a medida provisória …