Tensões que geram insegurança internacional são difusas, diz Celso Lafer — Senado Notícias

A multipolaridade e as tensões difusas pelo mundo são as principais causas da insegurança internacional. A afirmação é do ex-ministro das Relações Exteriores, embaixador Celso Lafer, que participou, nesta segunda-feira (9) de audiência pública na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE). Como exemplos dessas tensões, ele citou o terrorismo, o tema dos refugiados e a política America First, do governo de Donald Trump nos Estados Unidos.

O embaixador explicou que atualmente não há uma tensão dominante, ao contrário do que ocorria na época da Guerra Fria. As tensões mais graves são relacionadas a uma nova distribuição dos elementos que constituem o poder dos Estados e à multipolaridade, com a emergência da China e o deslocamento da importância econômica do Atlântico para o Pacífico.

– A insegurança internacional tem como pano de fundo essa disjunção entre ordem e poder, a incapacidade de uma ação conjunta geradora de poder suficiente para tornar realizável uma ordem mundial mais previsível e mais estável, o que, por sua vez, tem como nota explicativa a prevalência de múltiplas tensões internacionais – explicou.

Essa, de acordo com Lafer, é uma das razões para a diplomacia de combate ao multilateralismo que marca o governo do presidente Donald Trump. A postura é alimentada pelo unilateralismo do America First, política norte-americana atual que prioriza os interesses nacionais e rejeita a participação em acordos globais. Marcam essa estratégia, por exemplo, recuos em acordos sobre meio ambiente e comércio.

Terrorismo

Para Lafer, o terrorismo é uma das vertentes da insegurança internacional. A violência, explicou, destrói o poder de construir uma nova ordem mundial e dificulta a superação de dois desafios diplomáticos: encontrar interesses comuns e compartilháveis e administrar a diversidade cultural e os conflitos de valores.

A globalização da violência, de acordo com o diplomata, deixou de ser um meio e se transformou num fim. Com os atentados de 11 de setembro de 2001, promovidos pela Al-Qaeda, houve um deslocamento de tensões internacionais para dentro do território norte-americano. Para ele, o Al-Qaeda é uma indicação de que, para atuar na política internacional e causar conflitos, não é preciso ser um Estado.

– Trata-se de uma atuação por meio de redes, reforçadas pela era digital, que escapam das hierarquias e das cadeias de poder, permitem transpor fronteiras e territórios e o efeitos dissuasório dos seus muros e de suas barreiras e criam novos desafios para a segurança dos Estados e das sociedades e também para a nova vigência da regra democrática e do estado de direito – lamentou.

Refugiados

Na América Latina, a avaliação do embaixador é de que as tensões são menores. Como exemplo de tensão local que afeta o Brasil, ele citou a crise na Venezuela. O insucesso do governo, disse o embaixador, fez com que a pauta dos refugiados, antes distante, se inserisse com muito mais intensidade na realidade brasileira.

– O tema dos refugiados é um dos mais graves e dramáticos problemas da vida internacional. Essa é uma das grandes tensões do mundo – afirmou.

Para ele, diante da multiplicidade de tensões e do cenário de insegurança e instabilidade, o  governo brasileiro e o Itamaraty têm a tarefa permanente de avaliar riscos e incertezas na condução da política externa do país.

O senador Fernando Collor (PTC-AL), presidente da Comissão, disse que os diplomatas brasileiros são os mais preparados do mundo e que os debates promovidos pela CRE, com a prática da diplomacia parlamentar, podem contribuir para estreitar os laços diplomáticos com outras nações.

O ciclo de debates já teve 27 audiências, com a presença de 75 debatedores e 102 integrantes do corpo diplomático de 60 países.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2018/07/09/tensoes-que-geram-inseguranca-internacional-sao-difusas-diz-celso-lafer.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Senadores se manifestam sobre anúncio de que Bolsonaro contraiu covid-19 — Senado Notícias

Senadores se manifestaram, nesta terça-feira (7), sobre o anúncio do presidente Jair Bolsonaro de seu …