Cambista do Jogo do Bicho não consegue reconhecimento do vínculo de emprego com banca pernambucana

                         Baixe o áudio
      

(Sex, 12 Jul 2018 16:17:00)

REPÓRTER: Na reclamação trabalhista, a cambista afirmou que cumpria jornada das 7 e 30 da manhã às 6 e meia ou 7 da noite, de segunda-feira a sábado, recebia salário mensal e executava ordens. Por isso, pediu o reconhecimento do vínculo de emprego.

Embora a banca alegasse que era apenas proprietária da casa de jogo, e não empregadora da cambista, o preposto admitiu em juízo a habitualidade na prestação de serviços, os pagamentos quinzenais e a subordinação. O representante da empresa afirmou, ainda, que havia metas de vendas e que a cambista foi demitida por não conseguir atingi-las.

Para o juízo de primeiro grau, a atividade ilícita do empregador não necessariamente vicia o contrato de trabalho. De acordo com a sentença, no caso do jogo do bicho, a proibição da atividade por lei é amenizada pela tolerância social e complacência das autoridades competentes. O Tribunal Regional do Trabalho em Pernambuco manteve a sentença que reconheceu o vínculo.

O relator do recurso da empresa na Sétima Turma do TST, desembargador convocado Ubirajara Carlos Mendes, explicou que o Pleno da Corte Superior Trabalhista possui entendimento consolidado sobre contrato de trabalho relacionado ao jogo do bicho.

Ubirajara Carlos Mendes – desembargador convocado
“Essa atividade, já se resolveu na SBDI-1, através da OJ 199 no sentindo da nulidade do contrato de trabalho celebrado para desempenho da atividade inerente a prática do jogo do bicho ante ilicitude desse objeto.”

REPÓRTER: A Orientação Jurisprudencial 199 considera nulo o contrato de trabalho celebrado para o desempenho de jogo do bicho por ser atividade ilegal, o que afasta a validade jurídica. Por unanimidade, a Turma aceitou o recurso da empresa. Dessa forma, o vínculo de emprego da cambista não foi reconhecido.

 

Reportagem: Rafael Silva
Locução: Michelle Chiappa

 
O programa Trabalho e Justiça vai ao ar na Rádio Justiça de segunda a sexta, às 10h50.
 
Trabalho e Justiça 
Rádio Justiça – Brasília – 104,7 FM
Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Coordenadoria de Rádio e TV
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4264
crtv@tst.jus.br

Fonte Oficial: http://www.tst.jus.br/web/guest/noticias?p_p_id=89Dk&p_p_lifecycle=0&refererPlid=10730&_89Dk_struts_action=%2Fjournal_content%2Fview&_89Dk_groupId=10157&_89Dk_articleId=24616669.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Sistema de autogestão de jornada previsto em norma coletiva é válido

document.write(‘Seguir‘); !function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(!d.getElementById(id)){js=d.createElement(s);js.id=id;js.src=”http://platform.twitter.com/widgets.js”;fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}}(document,”script”,”twitter-wjs”); A norma não se insere no rol de direitos indisponíveis dos trabalhadores. …