Firmado acordo de previdência social entre Brasil e EUA – Migalhas

1. Em 30 de junho de 2015, foi assinado o Acordo de Previdência Social entre o Brasil e os Estados Unidos da América que visa evitar a dupla tributação na Previdência Social de pessoas que já trabalharam ou atualmente trabalham nos dois países e corrigir o acréscimo, em anos, do tempo mínimo de contribuição necessário à obtenção da aposentadoria.

2. Recentemente, em 22 de maio de 2018, o texto do acordo foi aprovado pelo Parlamento de ambos os países. No dia 25 de junho de 2018, por meio do decreto 9.422/18, o texto foi promulgado pelo presidente da República e entrará em vigor a partir de 1º de outubro desse ano após a realização de ajustes administrativos referentes à sua aplicação.

3. Os Acordos Internacionais de Previdência Social são tratados Internacionais que têm como objetivo garantir aos segurados e seus dependentes dos países acordantes os direitos de seguridade social. Esses acordos estão pautados na existência da reciprocidade entre sistemas previdenciários, ou seja, os períodos de seguro e de contribuição para a Previdência Social do Estado Destino (local da prestação de serviços) será computado para a concessão do benefício no Estado origem e vice-versa.

4. Sumariamente, no caso do Acordo de Previdência Social entre o Brasil e os Estados Unidos da América, o acordo possibilitará que os trabalhadores contribuintes dos dois sistemas (americano e brasileiro) somem os períodos de contribuição e a partir disso atinjam o tempo mínimo necessário à obtenção da aposentadoria e demais benefícios previdenciários.

5. Acerca do benefício temporal, o decreto dispõe que somente serão considerados períodos de recolhimento de contribuições reconhecidos e em conformidade com a legislação Previdenciária em vigor de ambos os países: do país originário do trabalhador e do país contratante.

6. Em situações de deslocamento temporário do trabalhador, haverá a possibilidade de se impedir a dupla tributação através da submissão exclusiva à legislação do seu país de origem, desde que não se preveja que o período de trabalho no território estrangeiro ultrapasse cinco anos. Com isso, as contribuições serão convergidas tão somente para a gestão previdenciária do país originário do trabalhador. Nesse caso, com a emissão do Certificado pelo Estado origem, em nome do trabalhador transferido, em linhas gerais, a empresa brasileira (local da prestação de serviços) fica desobrigada de recolher a contribuição previdenciária patronal, bem como de descontar a contribuição devida pelo segurado empregado (estrangeiro).

7. Cabe salientar que esse não é o primeiro acordo internacional de Previdência assinado pelo Brasil. O Brasil já possui acordos bilaterais estabelecidos com países da América, Europa e Ásia. Em complemento, também existem acordos multilaterais em vigência com países do Mercosul e da península ibero-americana.

8. Diante do atual cenário de notável fluxo de trabalhadores estrangeiros no Brasil e de trabalhadores brasileiros no exterior, o tratado se torna fundamental na medida que tem como escopo a ampliação da proteção dos trabalhadores brasileiros no exterior, assim como o oferecimento de igual proteção aos estrangeiros radicados no Brasil.

________________

*Cristiane I. Matsumoto Gago é sócia do escritório Pinheiro Neto Advogados.

*Lucas Barbosa Oliveira é associado da área Previdenciária do escritório Pinheiro Neto Advogados.

*Jessica Min Kyong Chung é associada da área Previdenciária do escritório Pinheiro Neto Advogados.

Fonte Oficial: http://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI283673,81042-Firmado+acordo+de+previdencia+social+entre+Brasil+e+EUA.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Compras na Black Friday exigem precaução – Jornal do Comércio

consumo Edição impressa de 20/11/2018. Alterada em 19/11 às 22h40min Compras na Black Friday …