Fraude em seguro-desemprego não é crime de bagatela – JOTA

Quem frauda o seguro-desemprego não pode ser beneficiado pelo princípio da insignificância, mesmo se o valor recebido ilegalmente for considerado muito pequeno.

Não comete, no caso, crime de bagatela, mas de estelionato contra a Previdência Social. E, assim, “o bem jurídico tutelado não se resume ao valor percebido, mas ao sistema previdenciário como um todo, abrangendo o patrimônio da coletividade de trabalhadores”.

Esta foi, em síntese, a decisão da 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, sediado em Brasília, ao acolher apelação do Ministério Público, e reformar sentença da Justiça de primeiro grau do Pará que absolvera um réu que fraudou a Previdência em R$ 871,00, juntamente com um empregado.

De acordo com os autos do processo, o réu Sílvio Everton de Oliveira da Silva, sócio-proprietário de uma revenda de carros, em conluio com o seu empregado Ronaldo da Conceição Costa, simulou rescisão de contrato de trabalho a fim de que este pudesse requerer o benefício do seguro-desemprego.

A Turma do TRF1, ao julgar a apelação do MP, acompanhou, por unanimidade, o voto do relator, desembargador federal Ney Bello, cuja ementa é a seguinte:

“1. Inaplicável o princípio da insignificância, uma vez no crime de estelionato contra a Previdência Social o bem jurídico tutelado não se resume ao valor percebido, mas ao sistema previdenciário como um todo, abrangendo o patrimônio da coletividade de trabalhadores. Diferentemente dos crimes fiscais, em que se protege apenas a integridade do erário, neste delito há a preocupação com a confiança mútua e o interesse público em impedir o emprego do logro que causa prejuízo à sociedade.

2. Para a caracterização do delito de estelionato faz-se necessária a presença do dolo, que consiste na vontade livre e deliberada de enganar a vítima, obtendo vantagem ilícita, em prejuízo alheio, empregando artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento.

3. Materialidade e autoria do crime de estelionato previdenciário, previsto no art. 171, parágrafo 3º, do Código Penal, comprovadas.

4. Penas-bases fixadas nos patamares mínimos, em consonância com os critérios do art. 59 do CP.

5. Presentes os requisitos do art. 44, a pena privativa de liberdade é substituída por duas restritivas de direito.

6. Apelação do MPF provida, para condenar o réu”.

Fonte Oficial: https://www.jota.info/justica/trf-1-fraude-seguro-desemprego-nao-crime-bagatela-13072018.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Um terço das candidatas mineiras não existe na internet – Congresso em Foco

Joana Suarez (com colaboração da equipe Libertas) A professora Carla*, do interior de Minas Gerais, …