No Guairão, Folclorize resgata as origens e o respeito à tradição – Prefeitura de Curitiba/PR

Com o apoio da Fundação Cultural de Curitiba, o Folclorize (Festival Folclórico de Etnias) celebrou por 12 noites no palco do Teatro Guaíra, o resgate das origens e tradições dos povos que fazem parte da história curitibana e do Paraná. Na noite desta quinta-feira (12/7), o Wisla, Grupo Folclórico Polonês do Paraná encerrou as apresentações da 57ª edição do evento.

“O Folclorize é um festival de muita importância para a Cultura, pois possibilita que o público mergulhe nas tradições e na identidade cultural formadora do povo paranaense”, disse a presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Ana Cristina de Castro. Ela também fez um agradecimento às entidades parceiras Associação Interétnica do Paraná (Aintepar) e Universidade Livre da Cultura (Unicultura) na viabilização de mais esta edição do festival. “É gratificante a Fundação Cultural ser parceira desse evento por meio do fomento da Lei de Incentivo à Cultura”.

O objetivo do festival é conduzir o público a um caminho de autoconhecimento a partir do contato com a origem, a história e a cultura de seus antepassados. Desde 2017, o Festival adotou o tema “Folclorize”, convidando o público a entrar em contato e valorizar as muitas tradições que compõem a cultura paranaense, respeitando e celebrando suas diferenças.

História

Quando teve início, o Festival era um evento mais amador e com forte caráter de exaltação da pátria de origem dos imigrantes. Naquela época, quem fazia o Festival eram os primeiros imigrantes ou seus filhos e a manifestação de suas origens era natural, por conta da saída recente de sua Terra natal, que gerava a necessidade de conexão e identificação com seus pares.

Em 1959, em sua segunda edição, o Festival já chamava a atenção da população e também da administração pública. Tanto que, naquele ano, o Governo do Estado o colocou no calendário oficial. Icônico, o evento também fez parte do roteiro de reinauguração do Teatro Guaíra, depois do incêndio de 1970. Na década de 80, o Governo do Paraná passou a considerar o Festival um evento permanente, de obrigatória realização.

O Festival de Etnias do Paraná, apesar de não ser realizado por artistas profissionais, trabalha para manter o nível técnico de suas apresentações. Fundada em 1974, a Aintepar dedica-se para manter unidade entre os grupos folclóricos, a partir de conjunto de regras para a garantia da qualidade das apresentações. A associação também estabeleceu que todas as agremiações devem ter um estatuto e seguir um cronograma de ensaios, além do compromisso em participar das apresentações públicas promovidas pela Associação.

Visando à continuidade do trabalho há obrigatoriamente de espaço para crianças nos grupos, que já com quatro ou cinco anos de idade começam a ensaiar e participar de espetáculos. O processo de preparo de um folclorista leva em média dez anos e muitos dos integrantes  dedicam boa parte de suas vidas à preservação da cultura de seus antepassados.

Participações

Participaram do Festival de Etnias do Paraná as seguintes entidades: Grupo Folclórico Piccola Itália; Folclore Grego Neoléa Paraná; Folclore Israelita do Paraná; Grupo Folclórico Ítalo-Brasileiro Santa Felicidade; Folclore Ucraniano Barvinok; Grupo Folclórico Ucraniano Poltava; Grupo Folclórico do Centro Espanhol do Paraná; Grupo Folclórico Holandês de Castrolanda; Grupo Folclórico Italiano Anima Dantis; Grupo Folclórico Germânico Alte Heimat; Grupo Junak Folclore Polonês; Centro de Tradições Brasileiras Querência Santa Mônica; Grupo Folclórico Germânico Original Einigkeit Tanzgruppe; Grupo Folclórico Nipo-Brasileiro Nikkei e no encerramento, Wisla – Grupo Folclórico Polonês do Paraná.

Realização

O evento é produzido pela Unicultura (Universidade Livre da Cultura) e realizado por meio de incentivo. O Festival é viabilizado por parceria entre a Associação Interétnica do Paraná (Aintepar) e a Trento Edições Culturais e conta com o fomento da Fundação Cultural de Curitiba. O Festival conta ainda com apoio do Centro Cultural Teatro Guaíra, Shopping Itália, Sesc Fecomércio e Corpo Consular do Paraná.

Fonte Oficial: http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/no-guairao-folclorize-resgata-as-origens-e-o-respeito-a-tradicao/46823.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Conselheiros de políticas sobre drogas de Curitiba tomam posse – Prefeitura de Curitiba/PR

Foram empossados, na tarde desta quinta-feira (21/2), os novos integrantes do Conselho Municipal de Políticas …