Aborto no STF: mortas ou presas, não vamos deixar de escolher – JOTA

Ativistas fazem ato em defesa da descriminalização do aborto. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Ag. Brasil

Os estudos disponíveis já nos contaram que há um perfil da mulher que realiza aborto. Ela é a mulher comum. Todas as mulheres fazem aborto. Mas por que? Por que, em todos os lugares e a todo tempo, mulheres interrompem voluntariamente a gravidez?

Quem se dispõe a pensar faz perguntas. Quem indaga sobre o aborto sinaliza empatia e consideração quanto à condição da mulher como sujeito de direitos. Além disso, normas jurídicas legítimas precisam de justificação.

Na audiência pública realizada pelo STF nos últimos dias muito se disse sobre quem aborta e por qual motivo. De alguma forma, todas as mulheres foram expostas aos olhares públicos nesses dias. Uma exposição necessária e menos massacrante que aquela vivida por quem foi considerada autora de um crime.

Porém, será que, do ponto de vista jurídico, é preciso conhecer as razões do aborto para saber se ele é ou não uma exigência da igualdade de gênero? O Código Penal acha que sim, que saber se a decisão é fruto de um estupro ou de questões de saúde importa. O Brasil e outros países da América Latina optaram pelo caminho em que é preciso conhecer as razões para se garantir o direito ao aborto.

Esse caminho, no qual se julga o que justifica um aborto, embora tenha garantido o acesso legal em muitos países (excluído o Brasil, no qual o acesso ao aborto legal é quase inexistente) permanece expondo as mulheres à dúvida sobre a legalidade ou não da interrupção da gravidez.

Elas seguem sob a ameaça da lei penal, já que todas justificativas de saúde são expostas a interpretações médicas que vão desde a dúvida sobre o que é risco de morte até sobre quais anomalias fetais justificam a interrupção da gravidez. No caso do estupro, as dúvidas são ainda piores, porque os requisitos para sua identificação, como a garantia de que a palavra da mulher é suficiente, também dependem de juízos médicos e policiais. Em outras palavras, definir quais razões o Estado considera razoáveis para se garantir o aborto também é inconstitucional. Autorizar o aborto apenas em alguns casos sequer ameniza o risco da punição penal.

As mulheres não podem oferecer a ninguém mais que justificativas parciais sobre a decisão de abortar. Embora interromper a gestação seja uma escolha tão racional, quanto emocional, insistir na busca de justificativas públicas, como o estupro ou as questões sociais ou de saúde, manterá as mulheres sob a ameaça da lei penal.

A vida reprodutiva está localizada em uma camada tão própria à mulher que nenhum relato consegue traduzir na linguagem jurídica aquilo que foi elaborado sob bases impassíveis de generalização. Ninguém, nem o médico, nem o juiz, pode julgar a correção da decisão sobre a maternidade. É por isso que a escolha pelo aborto precisa retornar para o lugar que pertence, a vida privada.

O debate travado na audiência pública e posto ao STF precisa ser esclarecido. O pedido não é apenas pelo direito ao aborto, o pedido é também pelo direito de cada mulher de não justificá-lo publicamente. O crime de aborto é inconstitucional não apenas porque não se adequa à igualdade, mas porque devassa a vida da mulher, porque coloca os outros na espreita de sua reprodução, prontos à tomar para si sua liberdade.

O estupro, o risco de morte, a pobreza, as causais de saúde, todas as justificativas com potencial de convencer legisladores e juízes sobre a necessidade do aborto não são suficientes. Estamos falando em voz alta: uma mulher aborta para sobreviver psíquica e fisicamente. Não podemos explicar mais que isso, porque o desenho dessas razões individuais (mas também coletivas) não pode depender da reavaliação do Estado.

Se o STF se afastar das perguntas impossíveis sobre o início da vida e sobre quais as razões podem justificar o aborto, sua decisão pode ser mais simples do que parece. Assim como a pergunta sobre o início da vida é uma cilada, porque congela a discussão normativa, investigar o que pode justificar um aborto tem o mesmo efeito. Em ambos os casos, há algo que não se sabe e que é desnecessário saber para se definir o alcance da dignidade.

Por isso, a vida privada precisa ser preservada a todas e a cada uma. É na vida privada que construímos as bases de uma vida autêntica. É lá que a decisão sobre a vida reprodutiva deve estar.

O que os ministros devem reconhecer é que a Constituição não permite a vigília moral de gênero, não permite a criminalização de uma escolha privada, tampouco autoriza que médicos e juízes tenham, ao final, o poder de julgar a correção da escolha sobre o aborto. Só o recuo no sequestro estatal do poder de escolha sobre a reprodução pode acomodar as mulheres no mundo.

Se o STF não permitir que as mulheres decidam autonomamente se querem interromper a gravidez, vamos seguir sem direitos, desacomodadas no mundo. De toda sorte, mortas ou presas, não vamos deixar de escolher.

Os artigos publicados pelo JOTA não refletem necessariamente a opinião do site. Os textos buscam estimular o debate sobre temas importantes para o País, sempre prestigiando a pluralidade de ideias.

Fonte Oficial: https://www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/aborto-no-stf-mortas-ou-presas-nao-vamos-deixar-de-escolher-09082018.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça defere pedido de recuperação judicial do Grupo Abril – JOTA

Prédio da Editora Abril / Crédito: Reprodução YouTube A Justiça de São Paulo deferiu nesta …

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!