Debate dos presidenciáveis na Band: Lula esquecido e Moro ministro – Congresso em Foco

A Band realizou na noite de 5ª feira (9) o primeiro debate da eleição de 2018 com candidatos à Presidência da República. O encontro teve início às 22 horas e durou pouco mais de três horas.

Oito candidatos participaram: Alvaro Dias (Podemos), Cabo Daciolo (Patriota), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Guilherme Boulos (Psol), Henrique Meirelles (MDB), Jair Bolsonaro (PSL) e Marina Silva (Rede).

No início da transmissão, os candidatos posicionaram-se em pé, com exceção de Bolsonaro, que permaneceu sentado.

O jornalista Ricardo Boechat explicou ao telespectador que o ex-presidente Lula havia sido convidado, mas não teve autorização judicial para deixar a carceragem da Polícia Federal em Curitiba, onde está preso por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O nome de Lula foi mencionado apenas três vezes durante o debate. Em sua primeira intervenção, Guilherme Boulos se apresentou dando boa noite a Lula, “preso em Curitiba, enquanto Temer está solto em Brasília”.

A segunda menção ao ex-presidente foi feita por Henrique Meirelles, que perguntava a Geraldo Alckmin sobre a posição do tucano em relação ao programa Bolsa Família, chamado pelo PSDB de “Bolsa Esmola”, segundo o ex-ministro.

Também foi Meirelles quem mencionou Lula pela terceira e última vez durante o debate, quando falou sobre sua participação no governo do petista.

O juiz federal Sérgio Moro foi mencionado por Alvaro Dias. O candidato do Podemos afirmou que, se for eleito, convidará Moro para ser ministro da Justiça.

Moro também foi citado por Ciro Gomes. O pedetista criticou o juiz por receber auxílio-moradia.

A operação Lava Jato esteve mais presente nas falas de Alvaro Dias, cujo eixo do discurso baseia-se em uma proposta de refundação da República.

O tema do feminismo foi timidamente abordado por Marina Silva, em comentários sobre o mau serviço no sistema de saúde, que prejudicaria mais as mulheres, segundo a candidata.

Alvaro Dias também falou em valorização das mulheres, e mencionou a presidente de seu partido como exemplo.

A média de idade dos oito candidatos presentes no debate é de 59 anos. O postulante mais novo é Guilherme Boulos, com 36 anos. Alvaro Dias é o presidenciável mais velho, com 73. Marina Silva é a única mulher e negra entre os candidatos.

Economia foi o tema predominante. A aliança de Alckmin com o Centrão foi alvo mais de uma vez.

Leia trechos do que disseram os candidatos no debate da Band.

Jair Bolsonaro

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) foi alvo de Guilherme Boulos (Psol), que o chamou de racista, machista e homofóbico. O líder do MTST também questionou Bolsonaro sobre o uso de funcionários fantasmas e o recebimento de auxílio-moradia. O ex-capitão do Exército negou irregularidades.

Bolsonaro também foi perguntado sobre a diferença salarial entre homens e mulheres. Defendeu que o Estado não deve interferir. E finalizou: “Brevemente, nós vamos querer um salário igual ao delas”.

Geraldo Alckmin

O tucano Geraldo Alckmin defendeu a reforma trabalhista feita pelo governo Temer: “Acabamos com essa excrescência de imposto sindical”. Disse que corrigirá o FGTS pela Taxa de Longo Prazo (TLP).

Propôs a abertura do mercado para aumentar a competitividade entre os bancos e baixar os juros. Também falou em reverter a arrecadação do Pasep e do Cofins para investir em saneamento básico.

Marina Silva

A líder da Rede, Marina Silva, falou de si própria, das dificuldades que enfrentou para ajudar a alimentar sua família, disse que foi analfabeta até os 16 anos.

Foi escolhida pela jornalista Lana Canepa para comentar uma pergunta sobre a legislação referente ao aborto. Defendeu o que já está previsto na lei e disse que se houver necessidade de mudança, que seja por meio de um plebiscito.

Ciro Gomes

O ex-governador do Ceará repetiu uma de suas bandeiras da campanha. Disse que vai limpar o nome de mais e 60 milhões de brasileiros endividados. Também falou que retomará 7 mil obras que estão paradas.

Ciro criticou os bancos. Para a questão da Previdência, propôs um novo regime de capitalização.

Alvaro Dias

O candidato Alvaro Dias falou de sua experiência anterior na política e sustentou um discurso ancorado na refundação da República.

Falou contra a corrupção e defendeu a Lava Jato como política de estado permanente. Disse que, se for eleito, convidará o juiz federal Sérgio Moro para ser ministro da Justiça.

Guilherme Boulos

O líder do MTST, Guilherme Boulos, chamou os outros candidatos de “50 tons de Temer”. Disse que Bolsonaro foi expulso do Exército por tentar explodir uma bomba. O candidato do PSL teve direito de resposta e negou ter sido expulso.

Em suas intervenções, lembrou Marielle Franco, vereadora assassinada no Rio de Janeiro em março. Criticou os banqueiros e o candidato Henrique Meirelles, a quem chamou de “raposa cuidando do galinheiro”. E afirmou que fará uma reforma tributária com a taxação de grandes fortunas e a tributação de lucros e dividendos

Henrique Meirelles

O candidato do MDB ao Planalto, fez um discurso lembrando as passagens que teve nos governos Lula e Temer. Intitulou-se como o candidato do emprego, da renda e do crescimento econômico.

Ao responder às críticas de Boulos, disse ser uma pessoa honesta e não ter nenhum processo contra si.

Cabo Daciolo

As intervenções do candidato do Patriota frequentemente faziam alusão a figuras religiosas. O deputado evangélico chegou a ler uma passagem da Bíblia.

Cabo Daciolo afirmou que há provas de que as urnas eletrônicas são fraudadas. Chegou a discursar contra o comunismo. Também disse que baixará o preço do combustível em 50%.

Negou que o Brasil passe por uma crise fiscal. E disse que o grande problema da nação é a falta de amor.

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Justiça defere pedido de recuperação judicial do Grupo Abril – JOTA

Prédio da Editora Abril / Crédito: Reprodução YouTube A Justiça de São Paulo deferiu nesta …

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!