Focada na segurança e no uso integrado, Prefeitura atualiza Plano Cicloviário – Prefeitura de Curitiba/PR

O Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) está revisando o Plano Cicloviário de Curitiba, uma das cidades pioneiras na criação de ciclovias no Brasil. O trabalho visa a integrar este importante componente do transporte multimodal da capital, conectando-o com a rede de ônibus, de forma a melhorar a efetividade do modal.

Este trabalho ganha relevância na medida em que a já robusta estrutura existente na cidade – são 207,2 quilômetros de ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas – está em crescimento.

Com a recente conclusão da revitalização da Avenida Manoel Ribas, por exemplo, a malha cicloviária cresceu em 3 quilômetros. Estão em fase de implantação outros 4 quilômetros ao longo do trecho norte da Linha Verde e mais 7 quilômetros serão implementados na ligação da Praça do Japão ao Capão Raso.

Já a reforma a ser feita nos terminais do Hauer e do Campina do Siqueira resultará em cada um deles em 108 novas vagas de bicicletários, com vestiário, sanitários, guarda-volumes e serviços de reparos das bicicletas. O novo terminal do Tatuquara, já em fase de licitação, também terá bicicletário. (Os dois primeiros estão em processo de aprovação de financiamento na Caixa).

Política pública

O plano está focado em prover segurança aos ciclistas e estar atrelado a políticas públicas – daí a importância das conexões intermodais, explica o presidente do Ippuc, Luiz Fernando Jamur.

 

LEIA MAIS:

 

A integração está estruturada, inclusive, na forma como o tema bicicleta vem sendo trabalhado pela Prefeitura. Implantado entre 2013 e 2016, o Plano Cicloviário está sendo atualizado como parte do Plano Setorial de Mobilidade, vigente na capital desde 2008 e que deve ser atualizado, conforme estabelece a legislação, a cada dez anos.

Dados preliminares da pesquisa Origem Destino, que está em fase final de elaboração pelo Ippuc, apontam que a integração pode representar um incremento ao transporte cicloviário.

Hoje 25% dos deslocamentos na capital e quase 30% na Região Metropolitana são feitos por ônibus. Já a bicicleta é utilizada em 1,9% das viagens na capital e 2,8% na RMC. “Se os modais estiverem mais bem conectados, poderão ser complementares entre si, o que deve estimular o uso”, explica Jamur. “A revisão que está sendo feita é voltada à melhoria das conexões viárias e funcionais.”

Evitar erros

Uma das preocupações dos técnicos do Ippuc é não repetir ações que nos últimos anos atrapalharam o desenvolvimento do modal bicicleta, como foi o caso dos bicicletários. Há seis desses equipamentos cobertos na cidade, instalados e abandonados na gestão anterior. Eles foram objeto de licitação para ocupação comercial, mas não houve interessados nos espaços.

A Prefeitura fará novo chamamento a interessados em ocupar os locais com prestação de serviços a ciclistas, tendo retorno comercial. “Quando se fala em mobilidade numa grande cidade como Curitiba é preciso avaliar os projetos de forma que eles tenham efetividade”, diz o presidente do Ippuc.

Fonte Oficial: http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/focada-na-seguranca-e-no-uso-integrado-prefeitura-atualiza-plano-cicloviario/47146.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Sine Municipal tem 26 vagas para contratação imediata

A Sodexo do Brasil Comercial está selecionando, por meio do Sine Municipal, trabalhadores para 26 …