Proposta prevê divulgação dos custos do transporte coletivo e avaliação popular sobre o serviço – Câmara Notícias

Proposta prevê divulgação dos custos do transporte coletivo e avaliação popular sobre o serviço

Antonio Augusto / Câmara dos Deputados

Ivan Valente: a população paga caro por um serviço de má qualidade e não tem acesso aos dados que justificam o preço da tarifa.

A Câmara analisa o Projeto de Lei 9865/18, do deputado Ivan Valente (Psol-SP), que altera a Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/12) para dispor sobre a transparência e a participação social no controle da qualidade do transporte público.

Ao todo, a proposta altera 14 artigos da Lei 12.587/12, estabelecendo a transparência ativa dos dados e informações relativas aos sistemas de transporte como um instrumento para atingir os objetivos da Política Nacional de Mobilidade Urbana, entre eles o acesso universal às cidades.

Entre outras medidas, o texto determina que os municípios e o Distrito Federal deverão divulgar trimestralmente, na internet e em formato aberto, os dados sobre:

– os impactos dos benefícios tarifários concedidos no valor das tarifas dos serviços de transporte público coletivo;
– a evolução dos custos utilizados para o cálculo do valor da tarifa, individualizados por companhia, rota e com o detalhamento das despesas;
– os subsídios tarifários pagos para cada empresa prestadora de serviços e o respectivo número de passageiros transportados e de linhas operadas;
– a avaliação dos cidadãos sobre os serviços prestados em cada uma das linhas.

A proposta prevê ainda que os usuários dos serviços terão o direito de receber, em linguagem acessível e de fácil compreensão, comunicado sobre os fundamentos de decisão do poder público sobre reajuste ou revisão de tarifas.

Além disso, também deverão ter acesso a aplicativos que informem sobre o serviço – as linhas disponíveis, os respectivos horários, a localização dos veículos e o tempo estimado para embarque – e permitam a avaliação popular (pontualidade, qualidade e cordialidade), a fim de que os resultados dessa pesquisa sejam considerados para eventual subsídio tarifário.

Segundo Ivan Valente, o alto custo do transporte coletivo – associado à falta de pontualidade, à ausência de transparência e à má condição dos veículos – foi o estopim para manifestações de rua em 2013. “Até hoje nada mudou, e a população segue pagando caro por um serviço de má qualidade”, disse. “Nem sequer tem acesso aos dados que justificam o preço da tarifa paga, para realizar qualquer tipo de controle social.”

Tramitação
A proposta tramita em caráter conclusivo e será analisada pelas comissões de Defesa do Consumidor; de Viação e Transportes; de Desenvolvimento Urbano; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Fonte Oficial: Câmara dos Deputados.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

CRA participa de entrega de titularidade de terras no Mato Grosso — Senado Notícias

Em audiência pública promovida pela Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado (CRA) na …