CCJ dá aval a projeto para benefício a vítimas de violência doméstica

JOTA ABREU
DA REDAÇÃO

Entre os projetos discutidos pela CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Legislação Participativa) que continuam tramitando na Câmara Municipal, está o PL 424/2018 de autoria do Poder Executivo, que dispõe sobre o estímulo à contratação de mulheres em situação de violência doméstica atendidas pelo programa Tem Saída.

A intenção é promover autonomia financeira para estas vítimas, de forma que nas contratações firmadas pelo Município, que tenham por objeto a prestação de serviços públicos, será exigido que 5% das vagas de trabalho relacionadas com a prestação da atividade-fim sejam destinadas a mulheres integrantes do projeto Tem Saída. O empregador terá a prerrogativa de não aceitar seleção de mão de obra caso verificada a inexistência de integrantes do Projeto com qualificação necessária para a ocupação das vagas de trabalho.

“Quando a mulher é vítima de violência em casa, muitas vezes fica refém da relação por conta da falta de renda para o sustento dos filhos. Com essa Lei, essas vítimas podem, por si só, conseguir emprego e buscar autonomia para seguir a vida. A iniciativa foi da Prefeitura, mas houve a união também com a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Tribunal de Justiça, Defensoria Pública, Ministério Público, entre outros que se juntaram para que isso fosse possível”, explicou a vereadora Sandra Tadeu (DEM), relatora do projeto na CCJ.

Outro Projeto aprovado é foi o PL 269/2018, de autoria do vereador Aurélio Nomura (PSDB), que concede 10% de desconto no IPTU de imóveis onde residam idosos com idade superior a 80 anos de idade.

“Já existe a isenção para idosos a partir dos 60 anos, mas àqueles que possuem só um imóvel. Mas nós sabemos que existem muitos idosos que não são proprietários dos locais onde residem. Moram de aluguel e pagam o IPTU. Esse valor faz uma diferença muito grande”, avaliou o autor da proposta.

Também continua tramitando o Projeto 345/2017, do vereador Camilo Cristófaro (PSB), que obriga os estacionamentos particulares a adotar sistema de cobrança por tempo fracionado em períodos de 30 minutos. De acordo com a proposta, o valor cobrado por período deverá ser único, e também representar parcela aritmética ao custo da hora integral.

No total, 16 projetos tiveram parecer favorável da Comissão.

Fonte Oficial: http://www.saopaulo.sp.leg.br/blog/ccj-da-aval-a-projeto-para-beneficio-a-vitimas-de-violencia-domestica/.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Câmara homenageia desembargador Paulo Dimas

Atualizado em (18/12/2018 – 15h07) | Geral, Notícias, Sessão Solene …