‘A melhor reforma tributária é a que busca a neutralidade fiscal’ – Jornal do Comércio

Em tramitação no Congresso Nacional, o texto que propõe a reforma tributária está pronto para ser apreciado pelo novo governo, a partir de janeiro. Ainda assim, existem outros projetos que buscam neutralidade fiscal. Em entrevista ao Jornal da Lei, o advogado especialista em Direito Tributário Anderson Cardoso comenta os projetos e indica as possibilidades de reforma a partir das eleições.

Jornal da Lei – Já existe um texto pronto para ser votado. Ele é o ideal? Que aspectos deveriam ser alterados?

Anderson Cardoso – Existe uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que tramita desde 2004 no Congresso, a PEC 293 decorrente de uma PEC anterior. A proposta aprovada lá atrás acabou segregando uma parte, e isso está tramitando atualmente. Essa proposta do deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) já está em tramitação e tem um ponto importante de simplificação e desburocratização dos tributos, buscando unificar esses impostos. A proposta é acabar com ISSQN, ICMS, IPI, as contribuição de PIS/Confins, salário-educação, a Cide, o IOF e Pasep. Tudo isso seria reunido no Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS), nos moldes de um imposto sobre valor agregado. Hoje, o imposto é partilhado, IPI está em esfera federal; ICMS, na estadual; e ISSQN, na municipal, então temos, diferentemente de outros países, essa peculiaridade que é o partilhamento dos tributos. Isso acaba gerando uma fragilidade e uma incidência grande sobre consumo. Cada ente faz frente às suas despesas e cria regras. Como tem competência para cobrar, tem competência para disciplinar, o que gera cada vez mais burocracia. Além disso, o processo fica mais complexo em um momento em que a simplificação é essencial. Temos cerca de 63 tributos que correspondem a 35% do PIB. Isso impacta negócios, e essa proposta em tramitação busca a simplificação. Além desse imposto agregado, há, ainda, o imposto seletivo. Seria um imposto para produtos que passam por mais de uma tributação, como veículos, bebidas e gasolina. O imposto seletivo teria competência federal, porque, hoje, são alterações sujeitas ao ICMS.

JL – Como fica o cenário de uma possível reforma tributária a partir destas eleições?

Cardoso – Sabemos que um projeto dessa magnitude necessita de um ambiente político propício. A proposta, por exemplo, traz a questão de um superfisco integrado pela administração dos estados, o que também cria uma necessidade de entendimento político definido em nível de fiscalização. O projeto em tramitação tem prazo de um ano para entrar em vigor após aprovado no Congresso, o que exige uma força política. Fora todos os pontos de modificação, ainda podem haver empecilhos. Então é prematuro dizer que essa é a proposta que vai adiante. Quem for eleito deveria estabelecer esse tema, junto da reforma da Previdência, como prioritário. O objetivo deve ser a simplificação e a redução da carga tributária. Todo esse projeto é viável desde que proponha, inicialmente, uma neutralidade fiscal, uma proposta em que nenhum dos atores saia oneroso. Não podemos concordar com uma proposta que onere ainda mais.

JL – O que, de fato, deveria ser feito?

Cardoso – Uma melhoria sob o ponto de vista de economia seria algo que simplificasse e contribuísse para o ambiente de negócios e para a competitividade do Brasil. O sistema tributário nacional é um empecilho para o investidor na medida em que é oneroso, burocrático e não transparente. Temos outras propostas sendo discutidas, como a do Centro de Cidadania Fiscal, uma entidade de São Paulo que tem uma proposta um pouco diferente. É uma proposta mais objetiva e simples, está gerando benefícios mais rápidos e prevê um período de transcrição de dez anos. A gente tem visto o próprio Paulo Guedes, economista do candidato Jair Bolsonaro (PSL), falando em propostas de reformas, mas nada vinculado a um conteúdo. O próprio Fernando Haddad (PT) fala de tributação de dividendos, o que é um equívoco. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) também tem uma proposta, a de tributação sobre consumo dividida em três módulos: um federal, um estadual e outro municipal. Como são independentes, têm essa facilidade de tramitação e aprovação de forma isolada. Se fosse centrar em uma proposta, seria a do Centro de Cidadania Fiscal pela experiência, simplicidade e pontualidade, fatores positivos para o momento atual.

Fonte Oficial: https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/cadernos/jornal_da_lei/2018/10/652120-a-melhor-reforma-tributaria-e-a-que-busca-a-neutralidade-fiscal.html.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Comunidade quilombola recebe título definitivo de terra — Governo do Brasil

O território quilombola Peruana, localizado no município de Óbidos (PA), recebeu, na última quinta-feira (8), …