Apesar de demanda crescente, colegiados de direito privado têm ganhos de produtividade – STJ

O ano de 2018 teve um número maior de processos julgados nos colegiados de direito privado do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Durante as últimas sessões de 2018, os ministros apresentaram os dados ao público.

Segunda Seção

O colegiado julgou 6.354 processos em 2018, sendo 714 durante as sessões e outros 5.640 monocraticamente. No mesmo período, foram distribuídos 4.493 processos, e 4.257 foram baixados definitivamente.

Terceira Turma

A Terceira Turma terminou o ano de 2018 com 76.498 processos julgados, sendo 11.961 em sessão e 64.537 monocraticamente.

No mesmo período, 55.188 processos foram baixados e 58.535 foram distribuídos aos ministros da turma.

A Terceira Turma é presidida pelo ministro Marco Aurélio Bellizze. O colegiado é composto ainda pela ministra Nancy Andrighi e pelos ministros Paulo de Tarso Sanseverino, Villas Bôas Cueva e Moura Ribeiro.

Quarta Turma

Na Quarta Turma, os ministros encerraram o ano com 92.030 julgamentos, 15.445 destes durante as sessões e 76.585 de forma monocrática. O número total é 24% maior que o registrado em 2017.

Na última sessão da turma, o presidente do colegiado, ministro Antonio Carlos Ferreira, elogiou a produtividade obtida pelos ministros e suas equipes. “Os números traduzem o trabalho realizado pela turma, que trabalhou de maneira harmoniosa e coerente. Parabéns aos meus pares e a toda equipe responsável por tais feitos”, disse.

Em 2018, foram 59.375 processos distribuídos e 65.922 baixados definitivamente, números também superiores aos registrados no ano passado.

Além de Antonio Carlos Ferreira, a turma é composta pelos ministros Luis Felipe Salomão, Raul Araújo, Isabel Gallotti e Marco Buzzi.

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/z0UaKOynMmA/Apesar-de-demanda-crescente,-colegiados-de-direito-privado-t%C3%AAm-ganhos-de-produtividade.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Sob o CPC de 2015, testemunho caracteriza prova nova para fins de ajuizamento de ação rescisória – STJ

Uma prova testemunhal pode ser suficiente para embasar a ação rescisória, já que o Código …