Bolsonaro põe general no comando do Incra e reforça grupo militar no governo – Congresso em Foco

O presidente Jair Bolsonaro anunciou neste sábado (9), por meio do Twitter, mais um militar em posto estratégico do governo, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) – órgão que tinha, até a atual gestão, a reforma agrária como uma de suas principais atribuições. Depois de seis ministros militares postos em ação em sua equipe ministerial, Bolsonaro agora terá o general Jesus Corrêa no comando do Incra.

“Tenho a satisfação de anunciar o General de Exército Jesus Corrêa como novo Presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra)”, escreveu o capitão da reserva naquela rede social.

Como era previsto já durante a campanha presidencial, Bolsonaro promoveu, em 1º de janeiro, mudanças em sua estrutura ministerial por meio da Medida Provisória 870/19, e desde então o Incra passou a estar subordinado ao Ministério da Agricultura. A alteração estrutural gerou críticas de movimentos sociais e especialistas. Além da execução da reforma agrária, o Incra realizava o ordenamento fundiário do país.

 

Desconhecido do grande público, o novo presidente o Incra já exerceu funções de comando, por exemplo, na 11ª Região Militar e já foi diretor de Controle de Efetivos e Movimentações do Exército.

A nomeação foi saudada por companheiros de farda. Um dele, na reserva, foi o deputado federal General Girão (PSL-RN), que se elegeu para o primeiro mandato surfando na onda bolsonarista que ganhou corpo em 2018. “Excelente decisão! Mais um grande oficial do Exército Brasileiro voltando às fileiras. Brasil!”, festejou o parlamentar, um dos 53 deputados do partido do presidente.

Metade do ministério de Bolsonaro vem de família de políticos ou militares

O assunto movimenta as redes sociais, principalmente o Twitter, em razão da polarização ideológica acerca da existência de grupos como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Um dos braços do lulismo, o MST luta pela distribuição de terras para pequenos trabalhadores e pelo fim dos latifúndios improdutivos, mas atrai revolta em parte da população com a ocupação de propriedades Brasil afora.

“Importante lembrar que o INCRA foi criado em 1970, em pleno governo militar”, provocou o internauta Paulo Cezar Filho, no Twitter, emendado pelo internauta identificado como Olavo. “Por isso nada mais justo que um Militar no Comando.”

Esplanada militar

Como este site mostrou em 5 de janeiro, metade do ministério de Bolsonaro vem de família de políticos ou militares. Nesse sentido, o presidente pode ter inovado ao não pedir aos partidos a indicação de ministros, mas em ao menos um ponto a sua equipe ministerial repete os anteriores: o peso da tradição familiar fala alto.

A constatação é fruto de levantamento feito por pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR), publicado com exclusividade pelo Congresso em Foco. O trabalho mostra que pelo menos metade dos 22 novos auxiliares diretos do presidente procedem de famílias de políticos ou militares.

São filhos, netos e sobrinhos de oficiais, parlamentares, ex-governadores, entre outras autoridades. Há, ainda, representantes de famílias com forte presença no Judiciário, na diplomacia e na elite empresarial (veja aqui a “árvore genealógica” dos ministros).

Selva

O militarismo do governo Bolsonaro – de natureza completamente diversa daquele que tomou o poder entre 1964 e 1985, instalando os “anos de chumbo” da ditadura – pode ser traduzido em números. Segundo o site GaúchaZH, do grupo RBS/Zero Hora, cerca de 100 nomes provenientes das Forças Armadas foram distribuídos em ministérios e estatais na gestão Bolsonaro.

Do total, 46 militares ocupam posições estratégicas no organograma governamental, com poder decisório a respeito de temas como extração de minérios, modernização de comunicações, construção de estradas, gestão de hidrelétricas e questão indígena.

Os auxiliares verde-oliva também atuam em gerências da Petrobras e da Eletrobras, duas das principais estatais brasileiras, bem como na Zona Franca de Manaus, na gestão de recursos hospitalares, segurança pública e agências de monitoramento e contraespionagem. “A maioria está na reserva e foi nomeada como cargo de confiança. Os da ativa ganharam função gratificada. Para especialistas, na prática é um governo militar ungido pelo voto popular”, diz reportagem assinada por Humberto Trezzi.

Veja o grupo verde-oliva no primeiro escalão do governo:

Presidente: capitão do Exército Jair Bolsonaro
Vice-presidente: general do Exército Hamilton Mourão

Ministros

General do Exército Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional)
Almirante da Marinha Bento Albuquerque (Minas e Energia)
General do Exército Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria de Governo)
Tenente-coronel da Aeronáutica Marcos Pontes (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações)
Capitão do Exército Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura)
Capitão do Exército Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União)
General do Exército Fernando Azevedo Silva (Defesa)

 

Novo comandante do Exército quer militares fora da reforma da Previdência

Reforma incluirá militares, diz secretário da Previdência: “Ninguém vai ficar de fora”

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Revisão – Juiz de Direito SC – Dizer o Direito

Olá amigos do Dizer o Direito, Está disponível a revisão para o concurso de Juiz …