Plenário debate retirada de notícias falsas da internet após as Eleições 2018 — Tribunal Superior Eleitoral

O Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) começou a analisar, na sessão extraordinária desta quarta-feira (13), recurso em que a coligação O Povo Feliz de Novo (PT/PCdoB/PROS) e o seu candidato à Presidência da República em 2018, Fernando Haddad, requerem a retirada da internet de conteúdo alegadamente falso e abusivo. O julgamento do caso foi interrompido por um pedido de vista do ministro Edson Fachin.

O caso chegou ao TSE em outubro do ano passado, mediante uma representação apresentada contra o Twitter Brasil Rede de Informações Ltda., o Facebook Serviços Online do Brasil Ltda., o Google Brasil Internet Ltda e outras. Os recorrentes apontavam a existência de suposta propaganda irregular, na qual estariam sendo divulgadas informações falsas na internet, por meio de ofensas, o que violaria o artigo 58, parágrafo 1º, inciso IV, e o artigo 15, inciso IV, alíneas “a” e “b”, da Resolução-TSE nº 23.547/2017.

O relator do caso à época, ministro Sérgio Banhos, deferiu parcialmente a liminar pleiteada, determinando a remoção imediata do conteúdo apontado como inverídico e ofensivo, bem como a identificação dos responsáveis por tais publicações. O recurso interposto pela coligação e por Fernando Haddad busca justamente a manutenção dos efeitos dessa liminar.

O atual relator do processo, ministro Admar Gonzaga, votou no sentido de negar provimento ao recurso, por entender que, “eventual ofensa à honra, sem repercussão eleitoral, deve ser apurada pelos meios próprios, perante a Justiça Comum”. Ele foi acompanhado em seu voto pelo ministro Tarcisio Vieira de Carvalho Neto. Em seguida, o ministro Edson Fachin pediu vista dos autos.

Por sua vez, o ministro Alexandre de Moares antecipou seu voto, abrindo a divergência e dando provimento ao recurso. Para ele, mesmo ao fim do período eleitoral, os efeitos de uma ordem judicial devem permanecer, a fim de proteger o direito à honra e evitar nova disseminação de tais notícias consideradas falsas.

Ao encerrar essa primeira parte do julgamento, a presidente do TSE, ministra Rosa Weber, destacou a importância do debate acerca das fake news no processo eleitoral, assinalando que a “riqueza” dos posicionamentos dos ministros contribuirá para os estudos que serão feitos pelo grupo de trabalho criado pela Portaria nº 115/2019 para identificar os conflitos na norma vigente decorrentes das reformas eleitorais e propor a respectiva sistematização. O grupo é presidido pelo ministro Edson Fachin.

LC/JB

Processos relacionados: Rec na RP n° 0601765-21 (PJe)

Fonte Oficial: http://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2019/Marco/plenario-debate-retirada-de-noticias-falsas-da-internet-apos-as-eleicoes-2018.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

TSE reverte cassação do prefeito de Casa Branca (SP) — Tribunal Superior Eleitoral

O Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) reverteu a cassação do prefeito de Casa Branca …