Funcionários de banco investigado faltam à reunião da CPI da Sonegação

Reunião da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Sonegação Tributária

MARIANE MANSUIDO
DA REDAÇÃO

Nesta quinta-feira (14/3), aconteceu mais uma reunião da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Sonegação Tributária, que investiga possíveis fraudes e sonegações fiscais de empresas de leasing, factoring e franchising que atuam na capital paulista. Estava prevista a oitiva de ao menos 11 funcionários do Banco Itaucard, uma das empresas investigadas pela CPI, mas nenhum deles compareceu.

Presente à reunião, Cristiane Battaglia, advogada do Banco Itaucard, justificou a ausência, com o argumento de que a instituição foi notificada apenas na segunda-feira (11/3). Segundo ela, faltou tempo para organizar o comparecimento dos funcionários convocados. De acordo com a secretaria da CPI, no entanto, os convites foram protocolados no dia 6/3.

Em entendimento com os vereadores, ficou acordado que os funcionários do Itaucard comparecerão na próxima reunião da comissão, prevista para o dia 21/3.

A principal linha de investigação da CPI é que as empresas financeiras usariam CNPJs inscritos em outros municípios para pagar menos ISS (Imposto Sobre Serviços), uma vez que, segundo a legislação vigente, o tributo deve ser recolhido junto à secretaria de finanças do município onde a empresa está sediada.

No caso do Banco Itaucard, o CNPJ está registrado na cidade de Poá, na Região Metropolitana de São Paulo, apesar de toda a operação acontecer na capital paulista, de acordo com a investigação dos parlamentares. “Essa disputa pelo ISS sempre existiu. A alíquota em Poá já chegou a ser de 0,25%, além de a cidade oferecer outros benefícios fiscais. Já em São Paulo, o valor cobrado é de 5%. Até o momento da nossa apuração, a impressão que temos é a de que o registro dessa instituição financeira em Poá foi somente para sonegar impostos”, afirmou o presidente da CPI, vereador Ricardo Nunes (MDB).

Com a presença do vice-presidente da comissão, vereador Rinaldi Digiglio (PRB), e do vereador Rodrigo Goulart (PSD), que também integra a CPI, foram aprovados nove requerimentos para dar continuidade às investigações.

Um dos pedidos aprovados solicita à Prefeitura de Poá a relação de empresas prestadoras de serviços de leasing, factoring, franchising, consórcio e instituições financeiras situadas no município. O requerimento também solicita os respectivos recolhimentos anuais de ISS dos últimos 10 anos.

“Estamos fazendo agora um cruzamento de dados. Por isso, também pedimos ao Ministério do Trabalho a relação do CAGED [Cadastro Geral de Empregados e Desempregados] das empresas foco da investigação. Precisamos ter certeza sobre a quantidade e alocação dos funcionários. É extremamente necessário comparar todas essas informações para garantir a transparência e a legalidade do processo”, explicou Nunes.

Fonte Oficial: http://www.saopaulo.sp.leg.br/blog/funcionarios-de-banco-investigado-faltam-a-reuniao-da-cpi-da-sonegacao/.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Reunião na Câmara aborda relacionamentos na terceira idade

Atualizado em (13/08/2019 – 17h36) | Cidade, Geral, Notícias ANDREA …