Comissão de Infraestrutura debaterá a segurança de barragens no Brasil — Senado Notícias

A Comissão de Infraestrutura deverá realizar nesta terça-feira (19) a primeira audiência da série três sobre a atuação das agências governamentais na aplicação da Política Nacional de Segurança de Barragens. O requerimento foi apresentado pelo senador Elmano Ferrer (Pode-PI), que foi relator do trabalho da Comissão de Desenvolvimento Regional (CDR) em 2017 e 2018, quando foi elaborado um profundo relatório sobre as barragens brasileiras.

Para a audiência desta terça-feira foi convidado Victor Hugo Froner Bicca, diretor-geral da Agência Nacional de Mineração (ANM), para falar sobre a segurança das mais de 790 barragens de rejeitos de mineração que existem catalogadas no Brasil e sob sua responsabilidade. O senador Elmano resumiu o quadro a ser debatido.

— Temos mais de 70 mil barragens cadastradas no país e sabemos que várias delas nunca passaram por uma manutenção. Quando fizemos o relatório das barragens para a CDR em 2018, alertávamos para o risco de novos desastres semelhantes ao ocorrido em Mariana em 2015. Três anos depois, ocorreu o desastre de Brumadinho, com muito mais vítimas.

A fiscalização das barragens está dividida entre três agências governamentais: a Agência Nacional das Águas (ANA), responsável por mais de 24 mil e 900 barragens de múltiplo uso, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) com mais de 200 barragens hidroelétricas e a Agência Nacional de Mineração, com mais de 790 barragens de rejeitos.

Segundo explicou o senador Elmano, somente pelos dados da ANA, havia 45 barragens de multiuso consideradas vulneráveis em dezembro de 2018. E Brumadinho não estava entre elas. Em 2010, após a aprovação da Lei 12.334, foi instituída a Política Nacional de Segurança de Barragens, definindo os parâmetros de segurança a serem aplicados nas barragens brasileiras. O senador mostrou-se preocupado.

— No meu Estado, o Rio Grande do Norte, temos três barragens consideradas de alto risco segundo os critérios determinados pela lei: a Passagem das Traíras e a Marechal Dutra, ambas no Seridó, e Calabouço, no Agreste. E isso já nos preocupa muito. Imagine a situação de Minas Gerais, onde há apenas dois fiscais para mais de 2 mil barragens?

Elmano Ferrer explicou que essas audiências públicas sobre as barragens servirão para colocar a questão da segurança na pauta do dia.

— Faltam recursos para a manutenção, para obras de recuperação, para fiscalização dos equipamentos de segurança. Em 2017, foram aplicados em serviços de operação, manutenção e recuperação das barragens apenas R$ 34 milhões de recursos orçamentários federais e estaduais. Isso é menos de 40% do que estava previsto nos orçamentos.

A audiência da Comissão de Infraestrutura está prevista para esta terça-feira (19), às 15 horas, com transmissão pela internet pelo endereço https://www.senado.gov.br/noticias/tv/canais.asp .

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/03/15/comissao-de-infraestrutura-debatera-a-seguranca-de-barragens-no-brasil.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Deputados querem atender moradores de outras cidades sob risco de rompimento de barragens – Notícias

Deputados querem atender moradores de outras cidades sob risco de rompimento de barragens Reprodução/TV Câmara …