Economia comportamental ensina como comprar melhor – Prefeitura de Curitiba/PR

A economia comportamental revela como cada consumidor age diante de diversos estímulos e a importância do uso de modos diferentes de lidar com o consumo e com o dinheiro. Neste Dia Mundial do Consumidor, 15 de março, o professor de Direito da Universidade Federal do Paraná Rodrigo Luís Kanayama, estudioso da economia comportamental, defende que cada um deve ter preservada a liberdade na hora de escolher.

Ele explica que o ser humano pode utilizar dois sistemas diferentes quando faz escolhas. No primeiro, a pessoa acredita que já sabe o que é melhor, age de forma automática, sem precisar pensar, muitas vezes movida pela emoção.

“Esse comportamento automático acontece, por exemplo, quando dirigimos um carro. E esse mesmo sistema funciona quando fazemos uma compra por impulso, sem refletir sobre a quantidade que realmente necessitamos ou se realmente precisamos daquele produto ou serviço. Nós não pensamos, simplesmente fazemos”, diz. “É quando compramos algo sem precisar apenas porque está barato”, exemplifica.

O sistema 1, de acordo com os estudiosos da economia comportamental, é automático e funciona para muitas coisas, mas também pode levar as pessoas a cometer erros.

O segundo sistema, explica Kanayama, nos faz refletir antes de agir. “Isso dá mais trabalho, requer que pensemos mais antes de tomar decisões. Em geral, as pessoas tendem à inércia”, declara.

Um exemplo é quando o consumidor adia o cancelamento da assinatura de uma revista que não o interessa mais. “Muitas vezes, dá trabalho cancelar, leva tempo. Mas cancelando, a pessoa terá uma economia de dinheiro.”

Isso também vale para a mudança ou cancelamento da assinatura de TV a cabo, do plano do telefone celular. É preciso pensar antes para fazer a melhor escolha. “Enquanto continuamos inertes, o mercado cria armadilhas comportamentais.”

De olho na hora da compra

Kanayama defende que as pessoas podem comprar melhor se refletirem como se comportam no momento de fazer escolhas e ainda quando analisam a estrutura do preço daquilo que vão adquirir.

Ele cita como exemplo a compra de uma bebida que tenha opções diferentes de preço, conforme o tamanho do recipiente. Identificar o preço de cada produto por litro pode ajudar a tomar a melhor decisão, adequada à necessidade do consumidor e àquilo que a pessoa pretende ou pode pagar naquele momento.

O professor acredita que é possível ainda escolher empresas que ajudem o consumidor a fazer escolhas conscientes. Isso vale para os mercados que informam facilmente o preço por quilo ou por litro para que o consumidor escolha o produto mais adequado à necessidade. “Com as informações certas, as pessoas refletem mais e podem tomar as decisão que são melhores para cada um”, diz Kanayama.

Nobel de Economia

A economia comportamental ganhou notoriedade depois que Richard Thaler conquistou o Nobel de Economia em 2017. Thaler trouxe o conceito do nudge, palavra em inglês que, neste caso, significa empurrão. Trata-se da teoria do incentivo, que permite que as pessoas façam a sua opção com base nas informações que recebeu, mas preservando a sua liberdade de escolha.

Kanayama relata que a teoria de Thaler surgiu a partir da observação de seus alunos. Para sair da sala de aula, havia uma porta de empurrar, mas os estudantes a puxavam. “A porta tinha um puxador, o que leva as pessoas a usarem o recurso, em vez de empurrarem a porta”, contou.

 


 

Sistemas 1 e 2 da economia comportamental podem ajudar a poupar dinheiro

O professor Rodrigo Kanayama explica que, com base na economia comportamental, o mesmo jeito que as pessoas usam na hora de gastar também pode ser útil no momento de economizar dinheiro. Ele explica que uma das formas de poupar é utilizar algum modo que não exija pensar antes de fazer. Uma das maneiras seria programar o débito de algum valor para determinada aplicação ou para a aposentadoria complementar.

“Em uma poupança automática, por exemplo, o reflexivo não vai funcionar. De forma automática, o dinheiro é guardado”, cita.

O professor diz ainda que uma combinação dos dois sistemas pode ser um bom recurso. “É possível criar uma auto-restrição, ou seja, usarmos o sistema 2 para conter o sistema 1.”

De acordo com Kanayama, uma pessoa que queira emagrecer e deixa de ter em casa coisas que ela não deve comer para não engordar, está criando um sistema de auto-restrição. “Muitas vezes a pessoa come porque não para pra pensar”, diz.

Com base na auto-restrição, Kanayama sugere o uso de algum recurso que possa ajudar a controlar os gastos no dia a dia. Um deles é o sistema de envelopes, em que a pessoa estabelece valores fixos da sua renda para o pagamento de suas despesas, por assunto.

“Isso pode ser feito numa tabela no computador. O importante é que a pessoa reflita antes quanto vai reservar para cada envelope e siga ao longo do mês utilizando o dinheiro conforme o que foi estabelecido. Assim é possível evitar o uso do dinheiro no sistema 1”, ensina. Ele diz que essa organização dá trabalho, mas traz bons resultados.

Se o plano é fazer uma viagem, pode-se estabelecer uma cota que deverá ser guardada regularmente. “Para evitar que gaste com outra coisa, você tira da tua margem discricionária, evita que o sistema 1 funcione e poupa para não gastar”, ensina.

Palestras

Em fevereiro, Kanayama falou aos servidores da Prefeitura de Curitiba que fazem parte de mais uma turma do curso de pós-graduação em Administração Pública. O tema da aula magna foi Políticas Públicas: Liberdade ou Paternalismo.

O advogado e professor analisou com os servidores como é possível produzir políticas públicas eficientes, sem violar a liberdade dos cidadãos, utilizando os conceitos da economia comportamental para explorar aspectos do dia a dia do serviço público. “Pode-se preservar a liberdade, mas indicar o caminho mais eficiente”.

Abordagem semelhante foi feita por Kanayama e pelo professor Eduardo Pianovski há poucos dias, em Massachusetts, nos Estados Unidos, para alunos de graduação e da pós-graduação da Escola de Direito de Harvard.

A palestra Economia Comportamental e Liberdade foi feita a convite do ex-aluno da UFPR, hoje professor e pesquisador Felipe Frank, por meio da Associação Brasileira de Harvard. Kanayama fez uma análise a partir das redes sociais, mostrando a importância de se reduzir as notícias falsas (fake news). Também tratou do equilíbrio entre a liberdade de expressão e a demanda por regulação das redes sociais.

 

 

Fonte Oficial: http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/economia-comportamental-ensina-como-comprar-melhor/49593.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Prefeitura homologa as inscrições para Feira do Peixe da Capital

A prefeitura de Porto Alegre, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDE), publicou …