Conselho de Comunicação questiona propaganda paga em rádios comunitárias – Notícias

Geraldo Magela/Agência Senado

O Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional debateu com o secretário de Radiodifusão do governo federal a situação das rádios comunitárias

Alguns membros do Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional criticaram nesta segunda-feira (18) vários aspectos do funcionamento das rádios comunitárias no país.

Este foi um dos assuntos abordados pelo conselho em audiência pública com o secretário de Radiodifusão do Ministério da Ciência e Tecnologia, Inovações e Comunicações, Elifas Gurgel.

O conselheiro Ranieri Bertoli disse que existem 3.850 rádios comunitárias e que várias estariam praticando uma concorrência desleal com as rádios comerciais ao inserirem propaganda paga em sua programação:

“Somente em Santa Catarina temos ajuizadas e já ganhas mais de 66 emissoras que comercializam identicamente às rádios comerciais. Uma concorrência extremamente desleal. E que, se eu retorno há dez anos atrás, normalmente uma emissora de rádio tinha entre 22 e 28 funcionários. E, hoje, quando são emissoras de sucesso trabalham com 13 profissionais”, observou.

Mais potência
Já a conselheira Tereza Mondino destacou o projeto em tramitação na Câmara (PL 10.637/18), já aprovado no Senado, que pretende aumentar a potência das rádios comunitárias de 25 para 150 watts. Segundo ela, isso vai causar problemas técnicos no funcionamento das outras rádios locais. Tereza também acredita que o aumento do alcance da rádio comunitária desvirtua seu propósito original, tornando-a ainda mais parecida com uma rádio comercial.

Elifas Gurgel concordou que o aumento da potência deve reduzir a quantidade de rádios em determinada região porque um sinal vai interferir no outro. Gurgel também defendeu uma maior equiparação das exigências feitas em relação ao conteúdo produzido pelas redes sociais com aquelas que já devem ser cumpridas pelos veículos tradicionais de mídia.

Regulação
O assunto, segundo Gurgel, foi levantado em fórum do governo com o setor, realizado em fevereiro. “A questão é que eles consideram uma assimetria regulatória do ponto de vista de quem produz conteúdo utilizando os meios de comunicação pelos celulares, as redes sociais; e o que há de regulamentação no que se refere à radiodifusão da forma como ela está estabelecida em lei”, disse.

José Antônio da Silva, conselheiro representante dos radialistas, disse que é preciso discutir os problemas em relação ao sistema de rádios comunitárias. Mas ressaltou que há lugar para todos e que essas emissoras são importantes para a informação da população.

Fonte Oficial: Câmara dos Deputados.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Senadores da CAS questionam se STF deve se manifestar sobre aborto em caso de zika — Senado Notícias

Está marcado para 22 de maio o julgamento, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), da ação …