PDT fecha questão contra reforma e pode expulsar dissidentes – Congresso em Foco

Dono de uma bancada com 28 deputados federais e 4 senadores, o PDT decidiu nesta segunda-feira (18) fechar questão contra a reforma da Previdência do governo Bolsonaro. Segundo o presidente do partido, Carlos Lupi, parlamentares que não votarem contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) estarão sujeitos a suspensão ou expulsão do partido.

A decisão foi tomada em reunião na sede do partido em Brasília. Lupi afirma que o PDT não é contra uma reforma do sistema previdenciário brasileiro, mas que o texto da equipe do Ministro da Economia, Paulo Guedes, tem “vícios originais” que impedem o apoio da sigla.

“O governo apresenta para a sociedade uma conta falsa do déficit previdenciário”, afirma Lupi. “Se o governo quiser fazer qualquer proposta de reforma da Previdência, tem que apresentar as contas verdadeiras com transparência”.

Segundo o presidente do partido, congressistas que não seguirem a orientação de votar contra a reforma estarão sujeitos “às sanções previstas no Estatuto, que vão da suspensão à expulsão”.

Discordâncias

O PDT considera que o governo “maquia” o déficit real da Previdência ao considerar a Desvinculação de Receitas da União (DRU) no cálculo. Além disso o partido quer que o governo explique se houve isenções fiscais na Previdência e ataque a sonegação.

Os pedetistas também são contra tópicos específicos da reforma, como a proposta de redução do valor pago no Benefício de Prestação Continuada (BPC), recurso pago a definicentes físicos ou idosos em situação de miserabilidade. Hoje ele é pago a idosos a partir de 65 anos, no valor de um salário mínimo (R$ 998). A equipe econômica quer que o beneficiário receba já a partir dos 60 anos, mas o valor mensal seria de R$ 400 até que ele complete 70 anos.

>> Aposentadoria de militares e relatoria devem destravar reforma da Previdência. Veja o que esperar da semana

Continuar lendo em Congresso em Foco.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Conselhos se posicionam contra educação exclusivamente on-line – Jornal do Comércio

Cada vez mais em crescimento e com polos até mesmo fora do País, o ensino …