Corregedor-geral encerra correição no TRT da 24ª Região (MS)

document.write(‘‘); !function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(!d.getElementById(id)){js=d.createElement(s);js.id=id;js.src=”http://platform.twitter.com/widgets.js”;fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}}(document,”script”,”twitter-wjs”);



O corregedor-geral da Justiça do Trabalho, ministro Lelio Bentes Corrêa, encerrou na sexta-feira (12) a correição ordinária no Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região (MS). Entre os pontos ressaltados pelo ministro estão os indicadores positivos de celeridade, produtividade, recorribilidade e taxa de congestionamento em relação à força de trabalho.

Para o ministro, o bom desempenho do Tribunal Regional pode ser atribuído à celeridade e ao estímulo aos acordos. “O prazo de tramitação dos processos na 24ª Região, de cerca de dois anos e dois meses, é inferior à média nacional, de dois anos e oito meses”, assinalou. “O tribunal também se destaca pela qualidade dos serviços prestados à sociedade, especialmente no que diz respeito à conciliação”.

Ao encerrar a correição, o corregedor-geral destacou os pontos positivos e as boas práticas desenvolvidas pelo TRT e fez recomendações para melhorar o atendimento ao cidadão. 

Ações afirmativas

Durante a semana, o ministro conheceu os projetos de ações afirmativas do Tribunal, como os trabalhos com foco na prevenção de acidentes de trabalho e combate ao trabalho infantil. Uma das ações, o Projeto Medida de Aprendizagem, será levado como boa prática para outros TRTs. O programa prevê a qualificação e a geração de emprego para jovens entre 14 e 24 anos. O TRT da 24ª Região é o primeiro do país a receber aprendizes em situação de vulnerabilidade ou risco social em cumprimento alternativo da cota de aprendizagem.

Também foram elogiadas políticas afirmativas como a criação do comitê de combate ao assédio moral, a parceria com a Agência Estadual do Sistema Penitenciário, que permite a reinserção social de egressos do sistema prisional por meio do trabalho, e o Projeto Judô na Escola, que incentiva a prática de esporte a fim de combater a evasão escolar, a criminalidade e o trabalho infantil.

(Com informações e foto do TRT-24)

Esta matéria tem cunho meramente informativo.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4907
secom@tst.jus.br
<!– –> var endereco; endereco = window.location.href; document.write(‘‘) <!—-> Inscrição no Canal Youtube do TST

Fonte Oficial: TST.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Especialistas discutem os desafios da aprendizagem em seminário no RJ

document.write(‘Seguir‘); !function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s)[0];if(!d.getElementById(id)){js=d.createElement(s);js.id=id;js.src=”http://platform.twitter.com/widgets.js”;fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}}(document,”script”,”twitter-wjs”); A ministra Kátia Magalhães Arruda participou do evento. O Tribunal Regional do …