Singapura: uma porta de entrada para a Ásia – Jornal do Comércio

O Sudeste asiático é um mercado pouco explorado no Brasil, tanto que a maior parte dos brasileiros ainda relaciona a região a praias e outras belezas naturais. Entretanto, a Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), bloco econômico de mais de 600 milhões de pessoas e que engloba dez países, tem uma economia de US$ 2,6 trilhões e que cresceu 300% desde 2001. Estima-se que, somados, os países da Asean serão a quarta maior economia do mundo em 2030, com um crescimento médio de 5% ao ano nos próximos dez anos.

No coração da Asean, há uma metrópole cosmopolita que nada deve às grandes cidades globais que ocupam o imaginário popular, como Nova Iorque, Londres e Tóquio. Antiga colônia britânica, uma pequena ilha sem recursos naturais e com uma complexa relação geopolítica com seus vizinhos (até hoje, importa água da Malásia e energia da Indonésia), Singapura tornou-se um país independente em 1965 com a certeza de que não poderia se satisfazer com um nível de desenvolvimento econômico semelhante ao dos demais países da região.

Inspirada nas melhores práticas adotadas pelas principais economias do planeta, o esforço de fazer mais e melhor deu resultado: Singapura é, hoje, líder global em temas como qualidade da educação, facilidade para fazer negócios, disponibilidade de mão de obra qualificada e grau de inovação na economia. Com uma economia aberta para o comércio global, um dos principais portos do mundo, um aeroporto que recebe mais de 7 mil voos por semana e contando com investimentos de mais de 36 mil grupos internacionais, Singapura é o lugar ideal na Ásia para aqueles que desejam ter uma base para investir ou vender produtos na região: enquanto a população é cosmopolita, adota o inglês como seu principal idioma e está acostumada à convivência com ocidentais, o sistema jurídico inspirado na common law britânica funciona e garante a proteção do empreendedor – recentemente, o sistema de proteção de propriedade intelectual do país foi considerado o quarto mais desenvolvido do mundo. Tudo isso faz com que Singapura seja chamado pelos estrangeiros que lá vivem como “a Ásia para principiantes”.

O fluxo de investimentos brasileiros na Ásia ainda é pequeno, e é compreensível que nossos empresários olhem quase que exclusivamente para a China ao avaliar aquele mercado. Entretanto, a China apresenta desafios linguísticos, culturais e até de proteção à propriedade intelectual que, muitas vezes, impedem que investimentos sejam levados adiante. Por tudo isso, vale a pena ter Singapura em mente sempre que se estiver buscando uma porta de entrada para a Ásia, principalmente para o Sudeste asiático.

Associado do Veirano Advogados

 

Fonte Oficial: https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/cadernos/jornal_da_lei/2019/04/679169-singapura-uma-porta-de-entrada-para-a-asia.html.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

“Governo molha lenha seca na gasolina e joga na fogueira”, diz representante dos caminhoneiros – Congresso em Foco

O representante dos caminhoneiros Wanderlei Alvez, o Dedeco, não poupa críticas à forma como o …