Estrutura da prefeitura para fiscalizar financeiras é debatida em CPI

CPI da Sonegação em reunião nesta quinta-feira (18/4).

JOTA ABREU
DA REDAÇÃO

Os vereadores que compõem a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Sonegação Tributária, da Câmara Municipal de São Paulo, querem mais informações sobre a estrutura que a Secretaria Municipal da Fazenda dispõe para averiguar eventuais irregularidades em empresas financeiras.

Os parlamentares demonstraram a preocupação após informações coletadas na reunião desta quinta-feira (18/4) da CPI, que investiga possíveis fraudes e sonegações fiscais de empresas de leasing, factoring e franchising.

Um dos focos da CPI são empresas que atuam na cidade de São Paulo, mas possuem CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica) registrado em municípios que oferecem vantagens tributárias em relação à capital, no caso, a alíquota menor de ISS (Imposto Sobre Serviços).

Os vereadores ouviram Marcelo Bartolozi Gragnano, diretor da Divisão de Fiscalização do Setor Financeiro da secretaria, setor responsável por monitorar a regularidade das operações dessas empresas.

Segundo Gragnano, a divisão conta hoje com oito funcionários para o cruzamento de dados, a partir das informações oferecidas pelas instituições. Como a equipe é “enxuta”, o setor usa critérios para a escolha de que empresas serão fiscalizadas, como o volume de receita e a reincidência das operações.

O que mais chamou atenção dos vereadores foi, porém, a informação de que nem todo o trabalho é realizado com o uso de softwares. Segundo Gragnano, a maior parcela dos cruzamentos de dados é realizada manualmente. “Havia um convênio com o Banco Central para essa tarefa, mas há algum tempo não temos mais”, revelou o representante da secretaria.

Questionado pelos vereadores, o servidor disse não haver intercâmbio de informações com o Ministério do Trabalho para acessar os números do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

“É inadmissível que uma cidade do tamanho de São Paulo não tenha esses convênios. No caso que estamos investigando, por exemplo, se fosse possível afirmar que em uma cidade vizinha a empresa trabalha com 19 funcionários, e aqui na capital tem 15 mil, fica claro que as operações acontecem aqui”, disse o presidente da CPI, vereador Ricardo Nunes (MDB). Além de Nunes, também participaram da reunião os vereadores Antonio Donato (PT), Isac Felix (PR) e Rinaldi Digilio (PRB).

Durante a reunião, foram ouvidos o prefeito Giancarlo Lopes da Silva e o secretário municipal da Fazenda Robson Senziali, de Poá (SP). Eles pediram para falar à CPI, preocupados em chamar atenção para a estrutura da arrecadação de impostos na cidade.

O setor de leasing do Banco Itaucard é sediado em Poá, situação que tem sido averiguada pela CPI, que investiga indícios de que o registro seja apenas uma forma de pagar alíquota de ISS menor do que na capital paulista.

“Nosso município é pequeno, não há como expandir industrialmente. Fazemos um grande esforço para administrar as verbas que temos, e a contribuição tributária do Itaú para o município representa 40% do orçamento municipal”, argumentou o prefeito de Poá.

O vereador Antonio Donato (PT) contra-argumentou. “Não temos nada contra a população de Poá nem contra o município. Mas nosso trabalho como legisladores na capital paulista precisa averiguar a possível sonegação de empresas que operam aqui”, disse Donato. Ele parabenizou a gestão de Poá pelo trabalho realizado e se solidarizou com as administrações municipais, diante das dificuldades atuais. “Queremos ser aliados, inclusive, para que os devidos impostos sejam recolhidos corretamente”, disse o vereador.

Havia também a expectativa de nova oitiva de funcionários do Grupo Itaú, desta vez de sete executivos graduados, indicados pela própria empresa. Porém, a CPI deferiu petição apresentada pelos advogados da instituição com a solicitação de adiamento dos depoimentos por mais uma semana.

 

Fonte Oficial: http://www.saopaulo.sp.leg.br/blog/estrutura-da-prefeitura-para-fiscalizar-financeiras-e-debatida-em-cpi/.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Primeira audiência pública da LDO já tem data definida

Atualizado em (02/05/2019 – 12h21) | Cidade, Comissões, Finanças, Geral, Notícias, Orçamento 2020 …