Eletromobilidade no transporte deverá ser exigência a partir de 2025 – Prefeitura de Curitiba/PR

A eletromobilidade será uma das exigências de Curitiba a partir de 2025, com a nova concessão dos serviços do transporte público. “O atual contrato de concessão vence daqui a seis anos. E a eletromobilidade é o caminho para reduzir custos operacionais, melhorar o transporte e adequar a cidade aos compromissos do Acordo de Paris com a redução ainda maior das emissões de CO2”, afirmou o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), Luiz Fernando Jamur, ao abrir o workshop Oportunidades de integração da eletromobilidade no transporte urbano de Curitiba.

O evento reuniu, nesta quinta-feira (25/4), no auditório do Ippuc, um grupo multidisciplinar com técnicos em transporte do município e do estado, representantes do setor produtivo, da academia e especialistas de organizações não-governamentais vinculadas ao setor. O workshop, que segue até esta sexta-feira (26/4), tem o suporte do PROMOB-e, o projeto de cooperação técnica do Ministério da Economia com o Ministério Alemão de Cooperação Econômica e para Desenvolvimento por intermédio da agência alemã de cooperação GIZ (Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit GmbH).

Integrado e limpo

De acordo com o presidente do Ippuc, os projetos em desenvolvimento pelo instituto, como o da modernização, melhoria operacional e de infraestrutura viária para Linha Inter 2, já contam com a perspectiva de veículos elétricos. Outro cenário, também em fase de encaminhamento, é o da evolução do sistema integrado com os municípios vizinhos a Curitiba.

“Propusemos ao Governo do Estado a formação de um grupo de trabalho para que possamos avançar com uma integração efetiva do transporte. O objetivo é que o transporte de Curitiba e metropolitano sejam mais atraentes, confortáveis e em condições de competir com o transporte individual.”

Cases

No workshop, os integrantes do PROMOB-e e das organizações não-governamentais World Resources Institute (WRI) e International Council on Clean Transportation (ICCT) tratam dos motivos da integração de veículos elétricos no transporte público e como estruturar projetos neste campo.

Segundo Amanda Ohara, que atua no PROMOB-e por intermédio da Consultoria GFA, da Alemanha, o evento em Curitiba tem por meta compartilhar informações geradas no âmbito do projeto que possam apoiar a cidade no processo de transição para a mobilidade mais limpa.

Carmen Araújo, do Conselho Internacional para o Transporte Limpo (International Council on Clean Transportation – ICCT) traz a Curitiba uma experiência prática feita em São Paulo. “É um trabalho feito dentro do projeto da GIZ – PROMOB-e com foco em políticas públicas para a eletromobilidade”, disse.

O caso de São Paulo, segundo Carmen, parte de um edital da área do transporte publicado na capital paulista junto com a Lei do Clima. “A Lei do Clima mais o edital deu um caso. Nós analisamos as alternativas energéticas e os custos envolvidos para alcançar as metas de zero emissão em vinte anos”.

A apresentação de Virgínia Bergamaschi Tavares, analista de Mobilidade Urbana do WRI Brasil, mostra os casos de cidades que estão em processo de implantação de frotas limpas. Entre eles o de Santiago do Chile, que está implantando uma frota de 100 ônibus; de Bogotá (Colômbia), que aplicou um modelo econômico para a aquisição de ônibus híbridos para o Transmilênio; de Paris, que está para adquirir 800 ônibus elétricos e passar a contar com a maior frota do gênero na Europa; e de Londres que tem um projeto de redução de emissões para revolucionar o transporte público.

 


O processo de Curitiba pela mobilidade limpa

Na apresentação de Curitiba, a assessora na Secretaria Municipal de Planejamento, Finanças e Orçamento Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme destacou as ações realizadas pela redução de emissões e modernização do transporte, a utilização de biocombustível e de veículos híbridos, testes com veículos elétricos e a participação da cidade na plataforma nacional de eletromobilidade.

Segundo ela, 72% das emissões de CO2 de Curitiba estão relacionadas à mobilidade em todas as suas modalidades. “Vivemos um momento em que a multimodalidade já está presente. O caminho está na busca por um transporte limpo, customizado, digital, em colaboração aberta, competição entre provedores e emissão zero”, disse.

A coordenadora de Mobilidade Transporte, na supervisão de Planejamento do Ippuc, Olga Prestes, destacou os componentes do Plano Setorial de Mobilidade, em desenvolvimento no instituto, que tem como prioridades a melhoria da qualidade do transporte e da acessibilidade, a utilização de energias renováveis, a integração de modais e a sustentabilidade econômica, social e ambiental do sistema.

O engenheiro mecânico da Urbs, Alyson Prado Wolf, responsável pela inspeção da frota de ônibus apresentou as experiências de Curitiba na na redução das emissões de poluentes. “A meta é poder implantar veículos com novas tecnologias de propulsão para avançar na transição de baixa emissão de carbono.”

 

Fonte Oficial: http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/eletromobilidade-no-transporte-devera-ser-exigencia-a-partir-de-2025/50139.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Edital da Unidade de Saúde Animal será publicado em setembro

A Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Sustentabilidade (Smams) iniciou nesta segunda-feira, 12, a …